sicnot

Perfil

Desporto

Campeonato grego volta a decorrer à porta fechada

A próxima jornada do campeonato grego de futebol vai decorrer à porta fechada, por recomendação da polícia após mais um incidente num jogo envolvendo a equipa do Olympiacos, treinado pelo português Vítor Pereira, anunciou quarta-feira o ministro adjunto do Desporto grego, Stavros Kondonís.

PANAGIOTIS MOSCHANDREOU

Kondonís justificou em comunicado a decisão de que a 28.ª jornada do campeonato irá decorrer à porta fechada, o que acontece pela segunda vez depois da suspensão e todos os jogos a 24 de fevereiro, após um caso em que o treinador Vítor Pereira também esteve em foco, por recomendação da polícia.

Após ter estado no centro dos desacatos verificados antes do jogo com o rival Panathinaikos, a 22 de fevereiro, depois dos adeptos rivais não terem gostado que Vítor Pereira fosse tocar na baliza perto da claque, o treinador português voltou a estar sob fogo, mas desta vez dos adeptos do AEK. 

A comemoração efusiva por parte do antigo treinador do FC Porto de golo apontado pelo ex-benfiquista Jara no último minuto do jogo com o AEK, para a Taça da Grécia, gerou uma enorme confusão no estádio Olímpico, que levou o árbitro a terminar mais cedo o jogo. 

Os eternos rivais Olympiacos (1.º) e Panathinaikos (2.º) seguem empatados no topo da tabela classificativa do campeonato grego, com 58 pontos, e este fim de semana defrontam Xanthi (6.º) e Ergotelis (15.º), respetivamente.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.