sicnot

Perfil

Desporto

Campeonato grego volta a decorrer à porta fechada

A próxima jornada do campeonato grego de futebol vai decorrer à porta fechada, por recomendação da polícia após mais um incidente num jogo envolvendo a equipa do Olympiacos, treinado pelo português Vítor Pereira, anunciou quarta-feira o ministro adjunto do Desporto grego, Stavros Kondonís.

PANAGIOTIS MOSCHANDREOU

Kondonís justificou em comunicado a decisão de que a 28.ª jornada do campeonato irá decorrer à porta fechada, o que acontece pela segunda vez depois da suspensão e todos os jogos a 24 de fevereiro, após um caso em que o treinador Vítor Pereira também esteve em foco, por recomendação da polícia.

Após ter estado no centro dos desacatos verificados antes do jogo com o rival Panathinaikos, a 22 de fevereiro, depois dos adeptos rivais não terem gostado que Vítor Pereira fosse tocar na baliza perto da claque, o treinador português voltou a estar sob fogo, mas desta vez dos adeptos do AEK. 

A comemoração efusiva por parte do antigo treinador do FC Porto de golo apontado pelo ex-benfiquista Jara no último minuto do jogo com o AEK, para a Taça da Grécia, gerou uma enorme confusão no estádio Olímpico, que levou o árbitro a terminar mais cedo o jogo. 

Os eternos rivais Olympiacos (1.º) e Panathinaikos (2.º) seguem empatados no topo da tabela classificativa do campeonato grego, com 58 pontos, e este fim de semana defrontam Xanthi (6.º) e Ergotelis (15.º), respetivamente.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras