sicnot

Perfil

Desporto

Real Madrid garante continuidade de Ancelloti "aconteça o que acontecer"

O presidente do Real Madrid, Florentino Perez, declarou hoje que o treinador do clube, o italiano Carlo Ancelloti, vai continuar a orientar a equipa de futebol nos próximos tempos "aconteça o que acontecer".

 Reuters

Reuters

© Juan Medina / Reuters

"Quero afirmar, de forma rotunda, que o clube tem plena confiança no nosso treinador e nos nossos jogadores. E quero dizer, contrariamente a algumas informações publicadas hoje, que, aconteça o que acontecer nos próximos dias e semanas, Carlo Ancelloti vai continuar a ser treinador do Real de Madrid e que todos os jogadores têm o apoio e o carinho do clube, do seu presidente e da Junta Diretiva", indicou hoje o presidente 'merengue' em conferência de imprensa.

As declarações de Florentino Perez surgem no mesmo dia em que o jornal desportivo Marca publicou em manchete que o presidente do Real afastaria Ancelloti caso a equipa perdesse no próximo domingo em Nou Camp, no 'clássico' para a Liga espanhola frente ao FC Barcelona.

O Real Madrid, que na terça-feira se apurou para os quartos-de-final da Liga dos Campeões (apesar de uma derrota caseira por 3-4 contra o Schalke 04), perdeu recentemente a liderança do campeonato precisamente para o FC Barcelona.

Lusa

  • Número de mortos nos incêndios sobe para 44

    País

    Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país provocaram 44 mortos, disse esta sexta-feira a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC

  • Aberta nova frente de guerra no Iraque
    1:20

    Mundo

    Uma nova frente de guerra no Iraque está aberta. O exército de Bagdade combate as forças curdas e luta pelo controlo da província petrolífera de Kirkuk. Na origem da ofensiva está o referendo não reconhecido à independência do Curdistão.