sicnot

Perfil

Desporto

Presidente e ex-presidente do FC Barcelona vão a julgamento pela contratação de Neymar

O juiz da Audiência Nacional Pablo Ruiz decidiu levar a julgamento o presidente do FC Barcelona, Josep Maria Bartomeu, o seu antecessor, Sandro Rosell e o clube por delitos fiscais e administração danosa na contratação do futebolista brasileiro Neymar. 

© Albert Gea / Reuters

Pablo Ruiz concluiu na instrução do processo que Rosell e Bartomeu terão cometido três delitos contra o fisco aquando da declaração de compra do passe do internacional brasileiro, no valor de 83.371.000 euros.

Para o juiz, o atual presidente acompanhou as "operações contratuais" no negócio e autorizou "os pagamentos relativos à contratação, ocorridos em 2014".

Em finais de fevereiro, a administração fiscal enviou a Pablo Ruiz um relatório que avaliou a atuação de Bartomeu e Rosell no negócio de aquisição de Neymar, considerando que os dois tentaram "ocultar aos sócios do clube a verdadeira dimensão do negócio e evitar o pagamento de impostos".

Em audiência com Pablo Ruiz, Bartomeu garantiu que não teve qualquer intervenção nas negociações nem na elaboração dos sete contratos celebrados com o jogador.

Segundo o mesmo dirigente, apenas um restrito grupo de pessoas esteve a par das negociações e o processo foi sempre conduzido por Sandro Rosell, que abandonou a presidência do clube em janeiro de 2014.

Bartomeu acrescentou que, como vice-presidente na altura dos factos, assinou toda a documentação confiando que tudo estava dentro das normas. 

O atual presidente disse ainda ao juiz que assim que assumiu a presidência deu instruções aos funcionários para avaliarem toda a documentação com o intuito de discriminar eventuais verbas em falta ao fisco.









Lusa
  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06