sicnot

Perfil

Desporto

Hamilton honra estatuto na qualificação do GP Austrália de Fórmula 1

O britânico Lewis Hamilton iniciou hoje a época honrando o seu estatuto de campeão do mundo de Fórmula 1 e vai partir da ''pole position'' para o Grande Prémio da Austrália, ao lado do seu colega, o alemão Nico Rosberg.

© Mark Dadswell / Reuters

A qualificação no circuito de Melbourne foi uma amostra do que poderá ser o resto da temporada, pondo em evidência o esperado domínio da Mercedes: o campeão de 2008 e 2014 foi o mais rápido em pista, com uma diferença de seis décimos em relação a Rosberg.

"É um grande ponto de partida. Nem diria que passou tanto tempo desde a última corrida [no Abu Dhabi, em novembro de 2014]. É como se tivesse havido um grande contrarrelógio para chegarmos aqui com este nível", afirmou Hamilton, após a conquista na 39.ª 'pole' da sua carreira e quarta no traçado de Albert Park, onde apenas ganhou uma vez (2008).

O registo de 1.26,327 minutos obtido por Hamilton constitui uma diferença significativa em relação aos rivais. O brasileiro Felipe Massa (Williams-Mercedes) e o alemão quatro vezes campeão do mundo Sabastien Vettel, em estreia pela Ferrari, foram quase uma segundo e meio mais lentos e garantiram os lugares da segunda fila.

"Eles estão noutro nível", reconheceu Felipe Massa, que rodou em 1.27,718, apenas 39 milésimos mais rápido do que Vettel (1.27,757).

Mesmo Rosberg, uns furos acima dos adversários, ficou a mais de meio segundo (1.29,921) do companheiro, mas o alemão não se mostra preocupado e diz que "não foi certamente por causa da diferença de ritmo" entre ambos.

"Lewis foi rápido, mas eu não fiz um bom conjunto de voltas hoje. Honestamente, não estou preocupado com o andamento. As corridas são sempre diferentes e talvez eu possa mudar as coisas amanhã [domingo]", afirmou Rosberg. "Este ano, tenho sobretudo de melhorar os resultados em corrida", acrescentou o alemão, que na época passada conquistou 11 'poles' em 19 grandes prémios.

Na terceira fila vão estar o outro Ferrari, pilotado pelo finlandês Kimi Räikkönen, e o segundo Williams, comandado pelo compatriota Valtteri Bottas, quinto e sexto respetivamente. Abaixo destes, as diferenças para Hamilton já foram superiores a dois segundos.

A primeira qualificação do ano proporcionou uma boa estreia ao espanhol Carlos Sainz Jr (Toro Rosso), de 22 anos, que passou à Q3 e fez o oitavo tempo, largando ao lado do australiano da 'casa-mãe', Daniel Ricciardo (Red Bull), sétimo.

Por outro lado, a jornada confirmou os maus sinais da McLaren-Honda. O britânico Jenson Button e o dinamarquês Kevin Magnussen, substituto do espanhol Fernando Alonso, vão partir da nona linha, que nesta prova será a última, uma vez que os Manor Marussia não saíram das 'boxes' desde sexta-feira.



Lusa


  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".