sicnot

Perfil

Desporto

Antiga campeã mundial dos 400 metros suspensa por dois anos

A atleta do Botsuana Amantle Montsho, campeã mundial dos 400 metros em 2011, foi suspensa esta quarta-feira por dois anos, após acusar positivo num teste antidoping realizado após a final dos jogos da Commonwealth, em 2014.

Amantle Montsho acusou a presença no organismo do estimulante proibido num teste realizado após a final dos 400 metros femininos dos Jogos da Commonwealth, que decorreu a 29 de julho. (Arquivo)

Amantle Montsho acusou a presença no organismo do estimulante proibido num teste realizado após a final dos 400 metros femininos dos Jogos da Commonwealth, que decorreu a 29 de julho. (Arquivo)

© Dylan Martinez / Reuters

De acordo com a cadeia de televisão britânica BBC, as duas amostras recolhidas à atleta no final da prova disputada em Glasgow no final do verão do ano passado revelaram a presença da substância estimulante methylhexaneamina.

A velocista acusou a presença no organismo do estimulante proibido num teste realizado após a final dos 400 metros femininos dos Jogos da Commonwealth, que decorreu a 29 de julho.

Montsho pediu posteriormente a contra-análise, que confirmou o primeiro resultado, tendo os resultados conseguidos pela atleta nos Jogos da Commonwealth, que decorreram de 24 de julho a 3 de agosto, na Escócia, sido considerados nulos.

Amantle Montsho tornou-se em 2010 na primeira atleta do Botsuana a ganhar uma prova dos jogos da Commonwealth e um ano mais tarde conquistou o seu primeiro título mundial em Daegu, na Coreia do Sul.
Lusa
  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.