sicnot

Perfil

Desporto

Novo presidente do Parma detido por branqueamento de capitais e outros crimes

O novo presidente e proprietário do Parma, da liga italiana de futebol, e outras 21 pessoas foram hoje detidas pela guarda fiscal por branqueamento de capitais e outros crimes.

Reuters

Em comunicado, as autoridades italianas, que efetuaram mais de 60 buscas a residências, explicaram que Giampetro Manenti, proprietário do Parma, é um dos suspeitos de crimes de peculato, fraude informática, uso de cartões multibanco clonados e lavagem de dinheiro.

O Parma, onde atuam os portugueses Silvestre Varela e Pedro Mendes, já tinha perdido três pontos no campeonato por salários em atraso, situação que se arrasta desde julho de 2014.

O antigo presidente do clube Tommaso Ghirardi, assim com Pietro Leonardi, que apresentou recentemente a demissão de diretor, foi suspensos pela liga italiana por quatro meses pelo mesmo motivo.

Já com a época a decorrer, Tommaso Ghirardi tinha vendido o Parma, pelo preço simbólico de um euro, a Giampetro Manenti, que prometeu injetar capital no clube, o que nunca veio a suceder.

As detenções ocorreram um dia antes da audiência agendada pela liga italiana para avaliar o estado do clube, com um 'buraco' financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. 

Caso o organismo entenda que o Parma está em situação de falência, o emblema será automaticamente afastado da Serie A e não completará a temporada.

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.