sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Jesus acusa Lopetegui de tentar condicionar os árbitros

O treinador da equipa de futebol do Benfica, Jorge Jesus, disse que hoje o seu homólogo do FC Porto, Julen Lopetegui, está a tentar condicionar os árbitros e que os adversários só param os 'encarnados' recorrendo às faltas.

"Ele [Lopetegui] defende a sua dama. Mas é claro que há da parte dele uma tentativa de condicionamento dos árbitros. O Benfica tem uma forma de jogar que faz com que os nossos adversários só consigam parar-nos através de faltas", disse Jorge Jesus, quando confrontado com as críticas do treinador do FC Porto às arbitragens dos jogos do Benfica, ao considerar "desproporcionado" o número de expulsões dos adversários que defrontam o rival. (Arquivo)

"Ele [Lopetegui] defende a sua dama. Mas é claro que há da parte dele uma tentativa de condicionamento dos árbitros. O Benfica tem uma forma de jogar que faz com que os nossos adversários só consigam parar-nos através de faltas", disse Jorge Jesus, quando confrontado com as críticas do treinador do FC Porto às arbitragens dos jogos do Benfica, ao considerar "desproporcionado" o número de expulsões dos adversários que defrontam o rival. (Arquivo)

Lusa

"Ele [Lopetegui] defende a sua dama. Mas é claro que há da parte dele uma tentativa de condicionamento dos árbitros. O Benfica tem uma forma de jogar que faz com que os nossos adversários só consigam parar-nos através de faltas", disse Jorge Jesus, quando confrontado com as críticas do treinador do FC Porto às arbitragens dos jogos do Benfica, ao considerar "desproporcionado" o número de expulsões dos adversários que defrontam o rival.

O treinador dos 'encarnados' defendeu que os adversários do Benfica "têm de ser penalizados pelas faltas consecutivas" que cometem contra a sua equipa, "única forma de a parar", e que os árbitros "usam em 90 por cento dessas expulsões o mesmo critério disciplinar". 

De resto, Jesus justifica a necessidade dos adversários recorrerem à falta com "a qualidade de jogo do Benfica", e prevê que aqueles "vão continuar" a usar esse expediente e a sofrer "mais expulsões" porque "só assim param" a equipa 'encarnada'. 

"A maior parte das expulsões dos nossos adversários nos jogos contra o Benfica foram justas. Aliás, em 80 e 90 por cento desses jogos já estávamos a ganhar quando essas expulsões aconteceram", alegou Jorge Jesus, para quem o treinador do FC Porto está apenas a "defender a sua dama" ao procurar "fazer pressão sobre os árbitros".

Jesus reconheceu que "a pressão aumenta à medida que cada novo jogo é superado", quando faltam apenas nove jornadas para o final do campeonato, e que o objetivo do qual o Benfica "não se desviará é manter os quatro pontos de avanço" sobre o FC Porto, à medida que vai sentindo que "a meta está cada vez mais próxima". 

Sobre o jogo com o Rio Ave, da 26ª jornada, no sábado, para o campeonato, Jorge Jesus não tem dúvidas: "Vai ser um jogo difícil, porque vamos apanhar o Rio Ave supermotivado, como acontece com todos os adversários do Benfica. Já estamos habituados a isso. Aliás não há jogos fáceis, sobretudo fora do nosso estádio".
Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.