sicnot

Perfil

Desporto

Figo diz que FIFA perderá mais quatro anos se Blatter for reeleito

O ex-futebolista português Luís Figo, candidato à presidência da FIFA, defendeu hoje que se Joseph Blatter se mantiver na liderança do organismo que rege o futebol mundial "serão mais quatro anos perdidos em matéria de transparência e modernização".

"Creio que o Qatar merece respeito e agora, que há uma decisão, espero que todos consigam organizar um grande Mundial", afirmou Luís Figo, em comunicado. (Arquivo)

"Creio que o Qatar merece respeito e agora, que há uma decisão, espero que todos consigam organizar um grande Mundial", afirmou Luís Figo, em comunicado. (Arquivo)

Matt Dunham / AP

"Se nada mudar, serão mais quatro anos perdidos em matéria de transparência e modernização", disse Figo à margem do congresso da UEFA, que decorre em Viena, observando que, apesar de, "por vezes, as pessoas terem medo da mudança, é preciso convencê-las que será para melhor".

O recordista de internacionalizações por Portugal, com 127 presenças pela equipa lusa, defendeu que o futuro da FIFA passa pela aprovação do alargamento no número de seleções presentes Mundial, eventualmente, de 32 para 40.

Além de Figo e Blatter, considerado o principal favorito à reeleição para um quinto mandato, concorrem também à presidência da FIFA o príncipe Ali bin Al Hussein, da Jordânia, vice-presidente do organismo, e Michael van Praag, líder da federação holandesa.

As eleições realizam-se a 29 de maio, no segundo de dois dias de congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.