sicnot

Perfil

Desporto

Ex-nadadora morta no acidente de helicóptero na Argentina enterrada em Nice

A antiga nadadora francesa Camille Muffat, que conquistou três medalhas em Londres2012 e morreu a 9 de março, aos 25 anos, num acidente de helicóptero na Argentina, foi hoje enterrada em Nice, a sua cidade natal.

Lionel Cironneau

O seu cadáver foi repatriado no domingo para Paris, juntamente com os dos outros sete franceses que participavam na gravação de um 'reality show' nas montanhas da zona turística de La Rioja e que morreram em consequência do choque entre os dois helicópteros que os transportavam.

Na igreja de São João Batista de Nice, vários nadadores franceses prestaram a última homenagem a Muffat, casos de Coralie Balmy, Laure Manaudou, Yannick Agnel e Charlotte Bonnet, assim como Alain Bernard, que também participou no programa do canal de televisão francesa.

O serviço religioso destinado a homenagear a ex-nadadora, que abandonou as piscinas aos 24 anos com um dos mais ricos palmarés da história de França, serviu também para os cerca de 200 presentes recordarem as vítimas da queda do Airbus A320 da companhia aérea alemã Germanwings, nos Alpes franceses.

Muffat conquistou três medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres2012, uma de ouro nos 400 metros livres, uma de prata nos 200 livres e uma de bronze na estafeta de 4x200 metros livres.

Além de Muffat, o acidente aéreo na Argentina vitimou a velejadora Florence Arthaud e o pugilista Alexis Vastine, vice-campeão olímpico em Pequim2008.

Outras figuras conhecidas do desporto gaulês, como o ex-futebolista Sylvain Wiltord, o nadador Alain Bernard e a ex-ciclista Jeannie Longo também estavam a participar no mesmo programa de televisão, mas não se encontravam nos helicópteros.

Lusa
  • Atletas mortos num acidente de helicóptero homenageados em Paris

    Mundo

    Foram hoje homenageados em Paris, os três atletas franceses que morreram segunda-feira num acidente de helicóptero na Argentina. Centenas de atletas e responsáveis desportivos franceses juntaram-se no Instituto Nacional do Desporto e fizeram um minuto de silêncio em homenagem à campeã olímpica de natação Camille Muffat, à velejadora Florence Arthaud e ao pugilista Alexis Vastine. 

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.