sicnot

Perfil

Desporto

Renault ameaça abandonar a Fórmula 1

A Renault está a ponderar abandonar a Fórmula 1, revelou hoje o diretor-geral da marca francesa, um dos quatro fornecedores de motores na categoria rainha do desporto automóvel.

© Jason Reed / Reuters

"Posso confirmar que estamos a analisar várias opções, entre as quais deixar a Fórmula 1", disse Cyril Abiteboul no circuito de Sepang, onde este fim-de-semana se disputa o Grande Prémio da Malásia, segunda prova do Campeonato do Mundo de F1.

Depois de entre 2010 e 2013 ter conquistado quatro títulos mundiais de construtores e pilotos, através do alemão Sebastian Vettel (Red Bull), ciclo interrompido no ano passado pela Mercedes, a Renault considera agora que a F1 está a ser prejudicial à sua imagem.

Abiteboul defendeu que, "se a Fórmula 1 faz mal à reputação da Renault" e "se não está a ter o retorno do que custa à Renault", estão criadas as condições para o abandono, que pode também levar à saída da Red Bull, segundo informou a escuderia.

Na base da insatisfação dos responsáveis da marca francesa está o desempenho da Red Bull na primeira corrida de 2015, na Austrália, onde o australiano Daniel Ricciardo não foi além do sexto lugar e o russo Daniil Kvyat nem sequer terminou.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.