sicnot

Perfil

Desporto

Renault ameaça abandonar a Fórmula 1

A Renault está a ponderar abandonar a Fórmula 1, revelou hoje o diretor-geral da marca francesa, um dos quatro fornecedores de motores na categoria rainha do desporto automóvel.

© Jason Reed / Reuters

"Posso confirmar que estamos a analisar várias opções, entre as quais deixar a Fórmula 1", disse Cyril Abiteboul no circuito de Sepang, onde este fim-de-semana se disputa o Grande Prémio da Malásia, segunda prova do Campeonato do Mundo de F1.

Depois de entre 2010 e 2013 ter conquistado quatro títulos mundiais de construtores e pilotos, através do alemão Sebastian Vettel (Red Bull), ciclo interrompido no ano passado pela Mercedes, a Renault considera agora que a F1 está a ser prejudicial à sua imagem.

Abiteboul defendeu que, "se a Fórmula 1 faz mal à reputação da Renault" e "se não está a ter o retorno do que custa à Renault", estão criadas as condições para o abandono, que pode também levar à saída da Red Bull, segundo informou a escuderia.

Na base da insatisfação dos responsáveis da marca francesa está o desempenho da Red Bull na primeira corrida de 2015, na Austrália, onde o australiano Daniel Ricciardo não foi além do sexto lugar e o russo Daniil Kvyat nem sequer terminou.

Lusa

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".