sicnot

Perfil

Desporto

Três jogadores dos sub-21 chamados para o jogo de Portugal com Cabo Verde

O defesa Paulo Oliveira (Sporting), o médio Bernardo Silva (Mónaco) e o avançado Ivan Cavaleiro (Deportivo) foram hoje chamados à seleção portuguesa de futebol para o jogo particular de terça-feira, com Cabo Verde.

A 5 de fevereiro, o SEF tinha identificado 250 cidadãos estrangeiros, dos quais 157 estavam em situação irregular. (Arquivo)

A 5 de fevereiro, o SEF tinha identificado 250 cidadãos estrangeiros, dos quais 157 estavam em situação irregular. (Arquivo)

© Valentin Flauraud / Reuters

Os três jogadores hoje convocados por Fernando Santos foram titulares na quinta-feira no empate da seleção lusa de sub-21 frente à Dinamarca.

Na terça-feira, o selecionador já tinha chamado 11 jogadores para o embate com o conjunto africano, entre os quais oito jogadores que nunca jogaram pela seleção principal.

O guarda-redes Marafona (Moreirense), os defesas André Pinto (Sporting de Braga) e Tiago Pinto (Rio Ave), os médios Danilo (Marítimo) e André André (Vitória de Guimarães) e os avançados Ukra (Rio Ave), Rui Fonte (Belenenses) e Lucas João (Nacional) estreiam-se nos trabalhos da equipa das 'quinas'.

De regresso às escolhas estão os médios Adrien Silva (Sporting), que tinha estado na última lista, André Almeida (Benfica), que ainda não tinha sido chamado por Fernando Santos, e Pizzi (Benfica), ausente desde 2013.

Estes 11 jogadores juntam-se à seleção portuguesa no domingo e assistem à partida com a Sérvia, no Estádio da Luz, em Lisboa, devendo treinar apenas na segunda-feira, véspera do particular com Cabo Verde, marcado para o Estádio Nacional, em Oeiras.

No encontro com os 'tubarões azuis' não vão estar os jogadores utilizados por Fernando Santos na partida com os sérvios, de qualificação para o Euro2016.

Lusa
  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.