sicnot

Perfil

Desporto

Blatter opõe-se a pedido da Palestina para afastar Israel das provas internacionais

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, opôs-se hoje a uma proposta palestiniana para impedir Israel de participar nas competições internacionais, alegando que tal medida prejudicaria a própria entidade máxima do futebol.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Enrique de la Osa / Reuters

Blatter deve reunir-se hoje com o presidente da Federação Palestiniana de Futebol (PFA), Jibril Rajoub, no Cairo, para analisar o pedido para que Israel seja suspenso pela FIFA "pelo seu comportamento racista contra os árabes".

"Vou encontrar-me hoje com o senhor Jibril Rajoub. Não posso dar mais detalhes", disse Blatter, que concorre às eleições no próximo mês para um quinto mandato como presidente da FIFA. 

Solicitado a comentar o pedido da PFA, Blatter disse que esta situação "não deve ocorrer num congresso da FIFA", porque a  suspensão de uma federação por qualquer motivo "é sempre algo que prejudica toda a organização".

No seu pedido para que a federação israelita seja suspensa das competições internacionais, a PFA também protesta contra a criação de "cinco clubes nos territórios ocupados desde 1967, clubes esses que participam em campeonatos nacionais de Israel, em violação do direito internacional".

O último pedido da PFA para a suspensão de Israel ocorreu em novembro do ano passado, depois de as forças militares israelitas terem invadido a sua sede na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.  

Para que este pedido seja aprovado terá de ter os votos favoráveis de, pelo menos, 156 delegados dos 209 com assento no Congresso da FIFA. 

Blatter está a participar numa reunião de dois dias da Confederação de Futebol Africana (CAF), no Cairo, da qual sairá na quarta-feira a escolha do país anfitrião da Taça das Nações Africanas (CAN2017).

Lusa
  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.