sicnot

Perfil

Desporto

Blatter opõe-se a pedido da Palestina para afastar Israel das provas internacionais

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, opôs-se hoje a uma proposta palestiniana para impedir Israel de participar nas competições internacionais, alegando que tal medida prejudicaria a própria entidade máxima do futebol.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Enrique de la Osa / Reuters

Blatter deve reunir-se hoje com o presidente da Federação Palestiniana de Futebol (PFA), Jibril Rajoub, no Cairo, para analisar o pedido para que Israel seja suspenso pela FIFA "pelo seu comportamento racista contra os árabes".

"Vou encontrar-me hoje com o senhor Jibril Rajoub. Não posso dar mais detalhes", disse Blatter, que concorre às eleições no próximo mês para um quinto mandato como presidente da FIFA. 

Solicitado a comentar o pedido da PFA, Blatter disse que esta situação "não deve ocorrer num congresso da FIFA", porque a  suspensão de uma federação por qualquer motivo "é sempre algo que prejudica toda a organização".

No seu pedido para que a federação israelita seja suspensa das competições internacionais, a PFA também protesta contra a criação de "cinco clubes nos territórios ocupados desde 1967, clubes esses que participam em campeonatos nacionais de Israel, em violação do direito internacional".

O último pedido da PFA para a suspensão de Israel ocorreu em novembro do ano passado, depois de as forças militares israelitas terem invadido a sua sede na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.  

Para que este pedido seja aprovado terá de ter os votos favoráveis de, pelo menos, 156 delegados dos 209 com assento no Congresso da FIFA. 

Blatter está a participar numa reunião de dois dias da Confederação de Futebol Africana (CAF), no Cairo, da qual sairá na quarta-feira a escolha do país anfitrião da Taça das Nações Africanas (CAN2017).

Lusa
  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19