sicnot

Perfil

Desporto

Blatter opõe-se a pedido da Palestina para afastar Israel das provas internacionais

O presidente da FIFA, Joseph Blatter, opôs-se hoje a uma proposta palestiniana para impedir Israel de participar nas competições internacionais, alegando que tal medida prejudicaria a própria entidade máxima do futebol.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Enrique de la Osa / Reuters

Blatter deve reunir-se hoje com o presidente da Federação Palestiniana de Futebol (PFA), Jibril Rajoub, no Cairo, para analisar o pedido para que Israel seja suspenso pela FIFA "pelo seu comportamento racista contra os árabes".

"Vou encontrar-me hoje com o senhor Jibril Rajoub. Não posso dar mais detalhes", disse Blatter, que concorre às eleições no próximo mês para um quinto mandato como presidente da FIFA. 

Solicitado a comentar o pedido da PFA, Blatter disse que esta situação "não deve ocorrer num congresso da FIFA", porque a  suspensão de uma federação por qualquer motivo "é sempre algo que prejudica toda a organização".

No seu pedido para que a federação israelita seja suspensa das competições internacionais, a PFA também protesta contra a criação de "cinco clubes nos territórios ocupados desde 1967, clubes esses que participam em campeonatos nacionais de Israel, em violação do direito internacional".

O último pedido da PFA para a suspensão de Israel ocorreu em novembro do ano passado, depois de as forças militares israelitas terem invadido a sua sede na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.  

Para que este pedido seja aprovado terá de ter os votos favoráveis de, pelo menos, 156 delegados dos 209 com assento no Congresso da FIFA. 

Blatter está a participar numa reunião de dois dias da Confederação de Futebol Africana (CAF), no Cairo, da qual sairá na quarta-feira a escolha do país anfitrião da Taça das Nações Africanas (CAN2017).

Lusa
  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.