sicnot

Perfil

Desporto

Autocarro da equipa de andebol do Besiktas atacado durante jogo

O autocarro da equipa de andebol de Besiktas foi esta quinta-feira atacado durante o jogo do campeonato turco frente ao Mersin, mas, além dos danos materiais, não houve registo de feridos.

Este incidente ocorre cinco dias depois do autocarro da equipa de futebol do Fenerbahçe, na qual atuam os portugueses Raul Meireles e Bruno Alves, ter sido atacado a tiro enquanto circulava numa autoestrada perto da cidade de Trabzon, no nordeste do país, com os atletas e outros dirigentes a bordo, tendo motorista da viatura sido atingido por disparos na cara.

Este incidente ocorre cinco dias depois do autocarro da equipa de futebol do Fenerbahçe, na qual atuam os portugueses Raul Meireles e Bruno Alves, ter sido atacado a tiro enquanto circulava numa autoestrada perto da cidade de Trabzon, no nordeste do país, com os atletas e outros dirigentes a bordo, tendo motorista da viatura sido atingido por disparos na cara.

© Stringer . / Reuters

"Depois do jogo descobrimos que as janelas do autocarro foram partidas", afirmou o treinador da equipa de Istambul ao site do clube, no qual é também possível ver os danos provocados na viatura.

De acordo com a agência Anatolia, do ataque ocorrido durante o jogo, não houve registo de feridos, sendo que a equipa abandonou o local sem registo de qualquer incidente.

Este incidente ocorre cinco dias depois do autocarro da equipa de futebol do Fenerbahçe, na qual atuam os portugueses Raul Meireles e Bruno Alves, ter sido atacado a tiro enquanto circulava numa autoestrada perto da cidade de Trabzon, no nordeste do país, com os atletas e outros dirigentes a bordo, tendo motorista da viatura sido atingido por disparos na cara.

Por este motivo, a federação turca decidiu suspender a liga futebol por uma semana.
Lusa
  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.