sicnot

Perfil

Desporto

Benfica considera "incongruente, injusto e ilegal" fim dos fundos de investimento

O assessor jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves, considerou hoje "incongruente, ilegal e injusta" a decisão da FIFA de proibir os fundos de investimento no futebol, quando implicam uma co-propriedade dos passes de jogadores.

"Esta decisão da FIFA é , do ponto de vista legal, incongruente com os seus próprios regulamentos", disse Paulo Gonçalves no decorrer de um seminário em Madrid sobre os fundos de investimento no futebol. 

A FIFA decidiu no final de 2014 banir a partir de 01 de maio deste ano os fundos de investimento no futebol, que muitas vezes se constituem como uma terceira entidade que partilha os passes com os jogadores e com os clubes.

No entanto, para o assessor jurídico do Benfica o problema é que a FIFA considera que os próprios jogadores são uma "terceira parte", no que diz respeito a influência na relação jurídica de uma transferência (tipicamente entre dois clubes).

"Assim sendo, os jogadores não podem ser titulares de direitos económicos e não podem participar numa futura transferência. Isto é incongruente, porque o jogador não é terceiro, é parte da relação jurídica. Por isso é que existem cláusulas de rescisão e por isso é que os jogadores podem ter direito a uma percentagem das futuras transferências", disse o assessor jurídico do Benfica.

Um jogador, disse Paulo Gonçalves, pode sair de um clube a qualquer momento pagando a cláusula de rescisão (habitualmente com dinheiro do clube para onde vai jogar a seguir). 

"Então isso não é uma influência (de uma terceira parte)? Um clube não quer que ele saia, outro clube quer contar com ele, o jogador paga os 20 ou 30 milhões da cláusula. Mas não é ele que os tem, é o outro clube. Já existe nas regras a influência de terceiras entidades", explicou.

O Benfica tem trabalhado com os fundos de investimento no futebol, como o Doyen, para contratar e vender jogadores como Di Maria, Ramirez, David Luiz, Matic, Markovic ou Javi García.

A decisão da FIFA (no seguimento de argumentação da UEFA) motivou uma queixa das ligas profissionais de futebol de Portugal e Espanha junto da Comissão Europeia, na qual consideravam que a medida viola as regras de concorrência na União Europeia.

Na abertura do seminário, o diretor geral da Liga espanhola de futebol, Javier Gómez, considerou que o tema dos fundos de investimento tem um caráter "estratégico" para a competição em Espanha e que a decisão da FIFA "surpreendeu", porque a maioria dos clubes defendiam uma "maior regulação" e transparência e nunca uma proibição.

"Parece-nos óbvio que a decisão é ilógica, irracional e ilegal, uma vez que impede que venham recursos financeiros para um sector. É ilógico e irregular", disse Javier Gómez.

Para o responsável da LFP, "a União Europeia também não quer a circulação de dinheiro ilegal, mas não é por isso que impede as transferências bancárias". 

"O que faz é impor mais controlo, sanções, policiamento", disse.

Lusa

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52