sicnot

Perfil

Desporto

Croácia recorre de castigo de jogo à porta fechada

A Federação de Futebol da Croácia anunciou esta quinta-feira que vai recorrer do castigo de receber a Itália à porta fechada, imposto pela UEFA, devido ao comportamento racista dos seus adeptos na partida com a Noruega.

Após cinco jogos, a Croácia lidera o grupo H de qualificação para o Euro2016, com 13 pontos, mais dois do que a Itália, segunda classificada.

Após cinco jogos, a Croácia lidera o grupo H de qualificação para o Euro2016, com 13 pontos, mais dois do que a Itália, segunda classificada.

© Antonio Bronic / Reuters

"Serão perdas significativas de milhões [de euros] para o turismo e para a cidade de Split, assim como para o futebol", disse o presidente da federação, Davor Suker, em comunicado.

Na quarta-feira, o Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA castigou a Croácia com um jogo à porta fechada, justificando o castigo com os insultos dirigidos ao avançado italiano Mario Balotelli e por terem atirado uma banana para o relvado.

Além do jogo de suspensão, a federação croata foi também multada em 50 mil euros devido ao lançamento de objetos e tochas para o terreno de jogo.

Após cinco jogos, a Croácia lidera o grupo H de qualificação para o Euro2016, com 13 pontos, mais dois do que a Itália, segunda classificada.
Lusa
  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.