sicnot

Perfil

Desporto

Guardiola diz que situação clínica do Bayer Munique é "crítica"

O treinador do Bayern Munique, adversário do FC Porto nos quartos-de-final da Liga dos Campeões de futebol, qualificou esta sexta-feira de "crítica" a situação clínica da equipa alemã, que tem vários jogadores influentes lesionados.

Maja Hitij / Lusa

"A situação é crítica, muito crítica", disse Pep Guardiola em conferência de imprensa, antecipando os próximos jogos para o campeonato alemão e o duplo confronto com a equipa portuguesa.

Os defesas David Alaba e Mehdi Benatia, o médio Bastian Schweinsteiger e os avançados Arjen Robben e Franck Ribery, todos habituais titulares, são as principais baixas do bicampeão alemão, que tem ainda o médio Javi Martínez a treinar de forma condicionada.

"Neste momento, tenho 14 jogadores, não tenho muitas alternativas. Estamos cansados, mas esperto que a mente possa controlar as pernas", observou o treinador espanhol, lamentando não poder fazer uma gestão mais equilibrada do plantel para o jogo com a equipa portuguesa.

Guardiola confirmou que Benatia, a mais recente baixa, ao lesionar-se no jogo dos quartos-de-final da Taça da Alemanha, com o Bayer Leverkusen, estará afastado da competição entre duas a quatro semanas, e que a utilização de Schweinsteiger frente ao FC Porto é, no mínimo, duvidosa.

O Bayern Munique defronta o FC Porto na quarta-feira, no Estádio do Dragão, em jogo da primeira mão dos 'quartos' da Liga dos Campeões, recebendo a equipa portuense na terça-feira seguinte, 21 de abril, para o segundo confronto.
Lusa
  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.