sicnot

Perfil

Desporto

Fenerbahçe volta a competir duas semanas depois de ataque a autocarro

O  Fenerbahçe, clube turco no qual alinham os futebolistas portugueses Bruno Alves e Raul Meireles, anunciou hoje que vai voltar à competição, após duas semanas de ausência devido ao ataque armado ao autocarro da equipa.

No domingo, o Fenerbahçe apelou à suspensão do campeonato de futebol, devido ao ataque armado ao autocarro que transportava a equipa, no sábado, no regresso a Istambul, após ter vencido o Rizespor por 5-1. (Arquivo)

No domingo, o Fenerbahçe apelou à suspensão do campeonato de futebol, devido ao ataque armado ao autocarro que transportava a equipa, no sábado, no regresso a Istambul, após ter vencido o Rizespor por 5-1. (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"A direção do Fenerbahçe decidiu por unanimidade que a equipa podia voltar a competir, depois de ter recebido garantias de segurança das autoridades competentes", refere um comunicado divulgado pelo clube.

O Fenerbahçe, que segue na segunda posição da liga turca, deverá defrontar hoje o Mersin, em jogo da segunda mão dos quartos-de-final da Taça Turquia, encontro para o qual parte com uma vantagem de 2-1.

Na segunda-feira, a equipa de Bruno Alves e Raul Meireles deverá defrontar o Bursaspor, onde alinha o português Josué, em jogo da liga turca.

A 04 de abril, a autocarro do Fenerbahçe foi atacado a tiro quando a equipa regressava de uma vitória no terreno do Caykur Rizespor (5-1), na região do Mar Negro, ferindo gravemente o motorista, que perdeu o controlo do veículo, travado atempadamente por um membro da segurança, o que impediu a queda numa ravina. 

O clube anunciou depois que não voltaria a competir sem que estivessem garantidas todas as condições de segurança, e a federação turca suspendeu o campeonato por uma semana. 


Lusa
  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.