sicnot

Perfil

Desporto

Pep Guardiola respeita demissão do responsável médico do Bayern Munique

O treinador do Bayern Munique, Pep Guardiola, disse hoje que respeita a decisão do responsável médico do clube demitir-se, após a derrota dos bávaros frente ao FC Porto (3-1) na Liga dos Campeões em futebol.

© Miguel Vidal / Reuters

"Foi uma decisão sua. É uma decisão a respeitar", considerou o treinador espanhol na conferência de imprensa de antevisão do jogo de sábado com o Hoffenheim, da Liga alemã de futebol.

À margem das declarações de Guardiola, os responsáveis do clube evitaram pronunciarem-se em relação à demissão do médico -- que muitos dizem resultar de uma situação de luta pelo poder com o treinador -, embora o Bayern Munique tenha feito um comunicado.

"O FC Bayern registou com pesar a decisão do doutor Hans-Wilhelm Müller-Wohlfahrt", referiu o clube, salientando ainda o trabalho "de primeira classe" feito pelo especialista nos últimos anos.

O clube revelou também que o médico Volker Braun acompanhará para já a equipa e que brevemente será encontrada uma solução.

Entretanto, o ex-capitão do Bayern Munique Steffan Effenberg é uma das vozes críticas e já disse que a demissão de Müller-Wohlfahrt demonstra que se estão a passar coisas "muito graves" no clube.

O Bayern Munique apresentou-se na quarta-feira no Porto, no jogo da primeira mãos dos quartos de final, sem quatro dos habituais titulares, David Alaba, Schweinsteiger, Ribéry e Robben, além de Benatia e Javi Martinez, todos lesionados.

A enfermaria do clube passou, entretanto, a contar também com o capitão Philipp Lahm, que não poderá jogar sábado devido a um vírus, e Guardiola espera poder recuperar Xabi Alonso e Mario Götze, substituídos no Dragão devido a problemas físicos.

O Bayern Munique recebe o FC Porto na terça-feira, na segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões em futebol.



Lusa
  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.