sicnot

Perfil

Desporto

Mundial de clubes vai decorrer no Japão em 2015 e 2016

O Japão vai organizar este ano, entre 10 e 20 de dezembro, e em 2016 o Mundial de clubes de futebol, anunciou esta quinta-feira a FIFA em comunicado.

Os espanhóis do Barcelona e os brasileiros do Corinthians, com duas vitórias cada, são as equipas com mais títulos no palmarés da prova, que em 2014 foi ganha pelo Real Madrid. (Arquivo)

Os espanhóis do Barcelona e os brasileiros do Corinthians, com duas vitórias cada, são as equipas com mais títulos no palmarés da prova, que em 2014 foi ganha pelo Real Madrid. (Arquivo)

Christophe Ena / AP

"Sabemos que a organização será perfeita, haverá muito público e uma atmosfera perfeita", afirmou o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke.

O presidente da Federação Japonesa de Futebol, Kuniya Daini, já expressou a satisfação do organismo e do país.

"Tudo faremos para assegurar o sucesso da competição. Será também uma experiência importante para o Japão, que em 2020 organizará os Jogos Olímpicos e Paralímpicos".

O Mundial de clubes junta os campeões das seis confederações que compõem a FIFA e o campeão do país anfitrião.

A competição foi organizada pela primeira vez no Brasil, em 2000, e só voltou a realizar-se em 2005, no Japão, que também acolheu as edições de 2006, 2007, 2008, 2011 e 2012.

Em 2009 e 2010, a prova decorreu nos Emirados Árabes Unidos, e em 2013 e 2104 foi disputada em Marrocos.

Os espanhóis do Barcelona e os brasileiros do Corinthians, com duas vitórias cada, são as equipas com mais títulos no palmarés da prova, que em 2014 foi ganha pelo Real Madrid.
Lusa
  • Real Madrid vence Mundial de Clubes

    Desporto

    O Real Madrid conquistou este sábado o Mundial de Clubes de futebol, ao derrotar, na final, os argentinos do San Lorenzo por 2-0. Sergio Ramos e Gareth Bale apontaram os golos dos "blancos".

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06