sicnot

Perfil

Desporto

Simão Sabrosa admite que carreira de futebolista possa ter chegado ao fim

O futebolista internacional português Simão Sabrosa admitiu hoje que a sua carreira possa já ter chegado ao fim, reconhecendo que o longo tempo afastado de competição e a idade são fatores que pesam.

 Reuters

Reuters

© Juan Medina / Reuters

Simão Sabrosa, que visitou hoje o Estoril Open em ténis, disse aos jornalistas que está agora a atravessar um período de "reflexão e a aproveitar a família e o país".

Questionado sobre o futuro, o ex-jogador do Benfica e do Sporting reconheceu que "é muito complicado" continuar a jogar.

"Estou há 10 meses sem competir e tenho 35 anos. No futebol é ser velho. Sinto-me capaz, mas são decisões e não apareceu nada de interessante", afirmou.

No entanto, o português sublinhou não se estar a lamentar de nada e que está "muito feliz" pelos sucessos da sua carreira.

"Fiz uma carreira brilhante. Consegui chegar onde cheguei graças ao meu trabalho. Se acabou, acabou, se não acabou vamos dar continuidade, mas tenho noção de que é muito complicado e é difícil", referiu.

Ainda que não seja como jogador, Simão Sabrosa disse querer continuar a estar ligado ao futebol, mas descarta a hipótese de treinador.

"Vou querer continuar a estar ligado à minha paixão, que é o futebol. Sempre achei que ser treinador não fazia parte do meu futuro. Vou pensar. Estou a ver todas as possibilidades em que me posso encaixar. Tenho plena consciência de que, enquanto profissional de futebol, foi tudo maravilhoso e fantástico e consegui chegar onde cheguei", concluiu.

Sobre o clássico de domingo de Benfica - FC Porto, Simão disse ter sido um jogo "muito tático, jogado a meio campo e muito bem preparado" pela equipa da casa.

"Não houve grandes oportunidades e o Benfica conseguiu o que queria que era não sofrer golos e manter a vantagem em relação ao Porto. Faltam jogos, é certo, mas ontem (domingo) foi um bom teste e um ponto importante para o Benfica. Como espetáculo adorei ter estado no Estádio da Luz, com aquele ambiente, mas como clássico não foi um jogo com muitas emoções", sustentou.

O antigo extremo do Benfica frisou que o campeonato não está resolvido.

"O título não está entregue, mas sem dúvida de que quem vai à frente é sempre justo. O Benfica está em primeiro há muito tempo, tem mais pontos e até agora é justo estar no primeiro lugar", frisou.

Simão Sabrosa, internacional por Portugal em 85 ocasiões (22 golos), começou a carreira profissional no Sporting, onde esteve três anos na equipa A, até 1999, quando se transferiu para o FC Barcelona. Representou o clube "culé" de 1999 a 2001 e foi contratado pelo Benfica, ao serviço do qual fez seis épocas, até 2007.

Passou depois pelo Atlético Madrid (quatro épocas) e pelo Besiktas, da Turquia.

Ao longo da sua carreira, Simão Sabrosa ganhou uma Liga Europa e uma Supertaça Europeia (ambas pelo Atlético Madrid), uma Liga portuguesa e uma Taça de Portugal e uma Supertaça portuguesa (pelo Benfica) e uma Taça da Turquia (pelo Besiktas).

Lusa
  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.