sicnot

Perfil

Desporto

Ali bin al Hussein na corrida à presidência da FIFA "até ao fim"

O príncipe Ali bin al Hussein, vice-presidente da FIFA, disse esta terça-feira que se vai manter "até ao final" na corrida à presidência do organismo, apesar da especulação de que poderia desistir.

"Continuarei na corrida até ao fim", disse o príncipe jordano, reiterando a sua candidatura "especialmente face ao apoio e respostas positivas das federações de futebol" que disse ter tido a oportunidade de visitar.

"Continuarei na corrida até ao fim", disse o príncipe jordano, reiterando a sua candidatura "especialmente face ao apoio e respostas positivas das federações de futebol" que disse ter tido a oportunidade de visitar.

© Muhammad Hamed / Reuters

Ali bin al Hussein, de 39 anos, é um dos três candidatos que desafiam a recandidatura do suíço Joseph Blatter, juntamente com o ex-futebolista português Luís Figo e o presidente da Federação Holandesa de futebol, Michael van Praag.

As eleições da FIFA realizam-se a 29 de maio, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

"Continuarei na corrida até ao fim", disse o príncipe jordano, reiterando a sua candidatura "especialmente face ao apoio e respostas positivas das federações de futebol" que disse ter tido a oportunidade de visitar.

O comunicado de Ali bin al Hussein pretende assim por fim a rumores de que poderia desistir e apoiar uma única candidatura, sobretudo depois de ter referido, em entrevista à BBC, que em "algum ponto" seria discutido um único candidato.

Blatter, de 79 anos, é o favorito na corrida à presidência, na tentativa de cumprir um quinto mandato.

Al bin al Hussein, van Praag e Luís Figo dizem pretender mudar a situação na FIFA, cuja imagem tem sido abalada devido aos escândalos em torno da atribuição dos mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar.
Lusa
  • Grafitter morre após cair do telhado da estação de Sete Rios
    0:57

    País

    Um grafitter morreu no sábado na estação intermodal de Sete Rios, em Lisboa. O jovem caiu de uma altura de seis metros, enquanto fazia um grafitti. As autoridades terão sido alertadas por um amigo, mas quando o INEM chegou o jovem de 21 anos já estava morto.

  • Incêndio em empresa na Anadia não teve origem criminosa
    2:01

    País

    O incêndio de sábado numa fábrica de capacetes em Anadia causou estragos de perto de um milhão de euros. A empresa vai retomar a laboração já esta segunda-feira, mas só daqui a um mês é que deverá estar a trabalhar em pleno. As autoridades afastaram a possibilidade de origem criminosa, apesar das peritagens ainda não terem revelado a causa do incêndio.