sicnot

Perfil

Desporto

Testemunha do "caso Cardinal" diz que Pereira Cristóvão pediu para destruir provas

Rui Martins, uma das testemunhas-chave do "caso Cardinal", disse hoje em tribunal que o vice-presidente do Sporting, Paulo Pereira Cristóvão, lhe pediu para destruir provas que o ligavam ao depósito na conta do árbitro assistente José Cardinal.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

"Um dia ou dois depois de eu ter feito o depósito bancário no Funchal, Paulo Pereira Cristóvão mandou-me deitar fora a roupa e o boné que usei e, depois de eu o ter questionado porquê, disse apenas que me pagava o valor da roupa", afirmou Rui Martins.

O antigo funcionário da Primus Lex, uma empresa de Paulo Pereira Cristóvão, confirmou ter viajado até ao Funchal, a pedido do antigo vice-presidente 'leonino', para fazer um depósito de 2.000 euros, em dinheiro, numa conta da qual tinha apenas o número de identificação bancária (NIB).

"A 19 de dezembro de 2011, pediu-me dados pessoais para comprar bilhetes de avião e ordenou-me que fosse à Madeira fazer um depósito", explicou, acrescentando: "A pedido dele não assinei o meu nome no talão de depósito, fiz apenas um rabisco (...) e quando regressei a Lisboa entreguei o talão à secretária".

Em causa está um depósito de 2.000 euros feito na conta de José Cardinal, dias antes de um jogo entre o Sporting e o Marítimo, para qual o árbitro assistente estava nomeado.

Posteriormente foi enviada uma carta anónima a denunciar um alegado suborno a Cardinal, carta essa que o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, faria chegar à Polícia Judiciária, depois de a mesma lhe ter sido entregue pelo presidente dos 'leões', Godinho Lopes.

A testemunha explicou que só percebeu a dimensão do problema meses depois, nas véspera das buscas, quando viu uma notícia que falava naquele depósito.

"Associei a notícia à minha ida à Madeira. Questionei por mensagem o Paulo Pereira Cristóvão, que estava em Bilbau, e ele respondeu: 'Falamos amanhã'. Nunca mais falámos", disse.

Rui Martins, que nas imagens de vídeo recolhidas na agência bancária do Funchal surge com o boné na cabeça e um casaco, explicou que a secretária de Paulo Pereira Cristóvão lhe entregou, pouco depois de ter chegado a Lisboa, um envelope fechado para ser entregue na casa de Paulo Pereira Cristóvão.

A testemunha disse desconhecer a existência de listas com dados pessoais de árbitros e jogadores, mas admitiu ter feito vigilância à casa de três futebolistas do Sporting: Jeffrén, Carrillo e Onyewu.

"Havia jogadores que eram mais problemáticos, o que me era pedido era para ver se eles estavam em casa a partir de certa hora. Eu passava pelas casas e via se havia luz acesa e se os carros estavam estacionados", explicou.

Rui Martins admitiu que Paulo Pereira Cristóvão lhe pediu para criar uma empresa, a Right Expert, à qual chegavam através de outra empresa, a Businlog, verbas pagas pelo Sporting para um acompanhamento dos ativos do clube.

A sede social da Right Expert, empresa que na realidade era gerida por Paulo Pereira Cristóvão, era a casa da mãe de Rui Martins.

"A minha mãe não sabe ler nem escrever e o Paulo Pereira Cristóvão sabia disso", afirmou Rui Martins, confirmando que o antigo vice-presidente do Sporting era o único a movimentar a conta da empresa que, no total, terá recebido 57.000 euros.

Rui Martins disse ter aceitado colaborar na constituição de empresa por estar em fim de contrato com a Primus Lex e admitiu que Paulo Pereira Cristóvão sabia como lhe dar a volta.

O tribunal, presidido pela juíza Marisa Arnedo, vai continuar a ouvir Rui Martins a 13 de maio, de manhã, devendo ouvir Godinho Lopes durante a tarde do mesmo dia. A audição do antigo presidente do Sporting estava prevista para hoje, mas foi adiada por falta de tempo.

Na sessão da manhã, o tribunal ouviu Luís Ribeiro, um investigador da PJ que esteve envolvido no processo e que confirmou vários dados constantes na acusação, nomeadamente a existência de listas com dados pessoais de árbitros e jogadores do clube.

Paulo Pereira Cristóvão, que está detido no estabelecimento prisional de Évora desde 03 de março no âmbito de um outro processo, é acusado de um crime de burla qualificada, outro de branqueamento de capitais, dois de peculato, mais um de devassa por meio informático, um de acesso ilegítimo e, por fim, um de denúncia caluniosa agravada.

Lusa
  • Pereira Cristóvão e "Mustafá" em prisão preventiva

    País

    O ex-inspetor da PJ e antigo vice-presidente do Sporting Paulo Pereira Cristóvão vai aguardar julgamento em prisão preventiva, tal como o líder da claque Juve Leo, Nuno Mendes, também conhecido como "Mustafá". Ambos estão indiciados por roubo qualificado, associação criminosa e sequestro.

  • Muitas das notícias que têm vindo a público são falsas, diz advogado de Pereira Cristóvão
    1:29

    País

    Só hoje é que vão ser conhecidas as medidas de coação para Paulo Pereira Cristovão, o ex-vice presidente do Sporting e ex-inspector da Polícia Judiciária que ontem esteve a ser ouvido no Tribunal Central de Instrução Criminal. Os advogados deixaram o tribunal já de noite. Não prestaram declarações sobre a prestação dos clientes durante os inquéritos mas, à saída, Paulo Farinha Alves, advogado de Pereira Cristovão, falou sobre as notícias que têm vindo a publico sobre este caso.

  • Pereira Cristóvão e outros 2 arguidos ouvidos pelo juiz Carlos Alexandre

    País

    Paulo Pereira Cristóvão está a ser ouvido por um juiz, no Palácio da Justiça, em Lisboa. O ex-vice presidente do Sporting e ex-inspetor da Polícia Judiciária está a ser interrogado pelo juiz Carlos Alexandre, no Tribunal Central de Instrução Criminal. Para além de Pereira Cristóvão, foram detidos um fotógrafo e um dos líderes da Juve Leo, a claque sportinguista. Os dois foram ouvidos durante a amanhã de hoje. Os três arguidos devem conhecer ao final da tarde as medidas de coação que lhes vão ser aplicadas. Paulo Pereira Cristóvão foi detido por indícios de associação criminosa e sequestro. É suspeito de escolher as vítimas dos assaltos depois concretizados por um grupo.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.