sicnot

Perfil

Desporto

Ronaldo atinge 80 golos nas competições europeias e iguala Messi

O português Cristiano Ronaldo, melhor marcador das taças europeias, atingiu esta quarta-feira os 80 golos nas competições da UEFA e voltou a igualar Lionel Messi no topo dos marcadores da Liga dos Campeões de futebol.

Ronaldo, cujo golo de grande penalidade no empate em casa com a Juventus (1-1) não evitou a eliminação do Real Madrid nas meias-finais, chegou aos 77 golos na 'Champions', em 114 jogos divididos por Manchester United e pelo clube espanhol (contra 98 de Messi).

Ronaldo, cujo golo de grande penalidade no empate em casa com a Juventus (1-1) não evitou a eliminação do Real Madrid nas meias-finais, chegou aos 77 golos na 'Champions', em 114 jogos divididos por Manchester United e pelo clube espanhol (contra 98 de Messi).

© Reuters Staff / Reuters

Ronaldo, cujo golo de grande penalidade no empate em casa com a Juventus (1-1) não evitou a eliminação do Real Madrid nas meias-finais, chegou aos 77 golos na 'Champions', em 114 jogos divididos por Manchester United e pelo clube espanhol (contra 98 de Messi).

O tento permitiu-lhe também igualar o avançado argentino no topo da lista de marcadores desta edição da prova, com 10 golos, mas foi curto para os 'merengues' continuarem em frente, depois da derrota na primeira mão, em Turim, por 2-1.

Messi terá oportunidade de ampliar os seus números na final de Berlim, frente à Juventus, a 6 de junho.

Contabilizando as pré-eliminatórias da Liga dos Campeões, Ronaldo soma 78 golos, contra 77 de Messi, mas em 119 jogos, enquanto o argentino soma 98 encontros.

No total das taças europeias, Cristiano Ronaldo é líder isolado, com 80 golos, em 122 jogos, somando mais dois tentos do que Messi, em 101 partidas.
Lusa
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".