sicnot

Perfil

Desporto

Jonas eleito o melhor jogador de abril na Primeira Liga

O avançado brasileiro Jonas, do Benfica, foi eleito o melhor jogador da I Liga em abril, na votação que é organizada conjuntamente por Liga e Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF).

Jonas, de 31 anos (ao centro), que chegou esta época ao Benfica a custo zero, depois de ter sido dispensado do Valência, é o melhor marcador dos 'encarnados' com 28 golos, dez na Taça e Taça da Liga, e 18 no campeonato.

Jonas, de 31 anos (ao centro), que chegou esta época ao Benfica a custo zero, depois de ter sido dispensado do Valência, é o melhor marcador dos 'encarnados' com 28 golos, dez na Taça e Taça da Liga, e 18 no campeonato.

© Hugo Correia / Reuters

Jonas, de 31 anos, que chegou esta época ao Benfica a custo zero, depois de ter sido dispensado do Valência, é o melhor marcador dos 'encarnados' com 28 golos, dez na Taça e Taça da Liga, e 18 no campeonato.

O internacional brasileiro reuniu 29,4 por cento da preferência dos votantes, treinadores e adeptos, seguido por Lima, também do Benfica, com 9,9 por cento, e Zé Luís, do Sporting de Braga, com 6,4 por cento.

Em abril, o avançado apontou um total de seis golos na Liga, nas vitórias frente ao Nacional (3-1, dois golos), Académica (5-1, dois golos) e Belenenses (2-0, dois golos).

Na II Liga, a eleição de melhor jogador recaiu em Tozé Marreco, avançado do Tondela, líder da competição.

O jogador obteve 7,6 por cento dos votos, seguido por Mendy, do União da Madeira, com 6,3, e por Gonçalo Guedes, do Benfica B, com 3,3.
Lusa
  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.