sicnot

Perfil

Desporto

Beira-Mar vence Leixões depois de ameaçar faltar por salários em atraso

O Beira-Mar venceu hoje o Leixões por 2-1, na 45.ª jornada da II Liga de futebol, depois de ameaçar faltar ao encontro por ter cinco meses de salários em atraso, apresentando-se apenas uma hora antes no estádio. 

beiramar.pt

beiramar.pt

Os aveirenses, que se apresentaram no Estádio do Mar, em Matosinhos, Porto, com apenas 14 atletas, inauguraram o marcador com um autogolo de Caio (25) e selaram o resultado final por Piffero (47), enquanto o Leixões reduziu por Gonçalo Graça (39). 

As equipas, que já garantiram a manutenção na II Liga, proporcionaram uma primeira parte de fraca intensidade, sem grandes motivos de interesse e oportunidades de golo.

Contudo, os comandados de Paulo Alves estavam ligeiramente melhores e chegaram ao golo por Caio, que marcou na própria baliza, aos 25 minutos, após um cruzamento de André Nogueira. 

O Leixões respondeu de forma positiva e Gonçalo Graça anulou a desvantagem de cabeça, depois de um cruzamento colocado de Caio. 

Dois minutos depois do regresso dos balneários, Piffero recolocou os 'aurinegros' na frente, colocando a bola ao primeiro poste de costas. 

Leonço poderia ter feito o empate aos 55 minutos, mas atirou ao lado, naquela que foi uma das melhores oportunidades para o Leixões. 

Até ao final do encontro, a partida manteve-se 'morna', mas Pedras, por quatro vezes, poderia ter invertido o resultado para a equipa da casa, mas não conseguiu concretizar. 

Manafá e Chaparro tiveram ainda a oportunidade de dilatar o resultado para os forasteiros, mas a bola saiu ao lado.

Com este resultado, o Leixões, que dispensou o treinador Horácio Gonçalves, soma o nono jogo sem vitórias, enquanto o Beira-Mar regressa às vitórias após três empates consecutivos. 



Jogo no Estádio do Mar, em Matosinhos.

Leixões -- Beira-Mar, 1-2. 

Ao intervalo: 1-1. 



Marcadores:

0-1, Caio, 25 minutos (própria baliza). 

1-1, Gonçalo Graça, 39. 

1-2, Piffero, 47. 



Equipas:

- Leixões: Ricardo Moura, Caio (Pedras, 65), Pedro Pinto, Zé Pedro, Pedro Tavares, Tiago Lenho, Moedas, Bruno Lamas (Cadinha, 46), Yuanyi Li (De Leonço, 46), Enoh e Gonçalo Graça. 

(Suplentes: Nuno Pereira, Pedras, Cadinha, De Leonço, Alabi, Rui Cardoso e Rui André).

Treinador: Manuel Oliveira.

- Beira-Mar: Rego, André Nogueira, Alan Henrique, Piffero, Vítor Vinha, Alexandre, Kingsley, Paulinho (Miguel, 90+2), Chaparro (Edivandio, 70), Manafá e Nadson (Edema, 85). 

(Suplentes: Edema, Miguel e Evandro).

Treinador: Paulo Alves. 



Árbitro: Sérgio Piscarreta (Algarve). 

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Moedas (60), Chaparro (60) e Kingsley (71). 

Assistência: cerca de 500 espetadores.





Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.