sicnot

Perfil

Desporto

Boca Juniors recorre de desclassificação da Taça Libertadores

O Boca Juniors apelou da decisão da Confederação sul-americana de futebol (Conmebol) de entregar a vitória ao River Plate, na segunda mão dos oitavos de final da Taça Libertadores, devido a distúrbios, informaram esta segunda-feira fontes do clube argentino.

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

© Enrique Marcarian / Reuters

O presidente do Boca Juniors confirmou o recurso numa entrevista à rádio La Red, mas mostrou-se pessimista quanto ao seu sucesso. 

"Não estamos otimistas, porque há muitos interesses alheios aos clubes, comerciais e já se estão a vender bilhetes. Não há antecedentes da exclusão de uma equipa por um motivo pontual", disse Daniel Angelici, considerando que assim a Conmebol está a dar força aos adeptos violentos, que agora sabem que, caso queiram perturbar um jogo, vão ficar impunes.  

O presidente do clube argentino assegurou que o Boca cumpriu o protocolo de segurança e recordou um episódio da edição anterior da Taça Libertadores: "No ano passado, num jogo do Corinthians morreu um rapaz de 14 anos e não o desclassificaram do torneio, pelo que não entendo o equilíbrio desta sanção". 

Angelici antecipou também que planeia renunciar à vice-presidência da Associação de Futebol Argentino (AFA), porque não quer fazer parte de algo que não funciona. 

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

Face a esta decisão, o River Plate, o maior rival do Boca Juniors, apurou-se na 'secretaria' para os quartos de final da 'Champions' da América do Sul, defrontando agora os brasileiros do Corinthians.

Segundo a deliberação da comissão disciplinar da Conmebol, o Boca Juniors disputará os próximos quatro jogos em casa da Taça dos Libertadores à porta fechada e terá de pagar uma multa de 200.000 euros.

No dia 14 de maio, o jogo entre o Boca Juniors e o River Plate, foi suspenso depois de os jogadores do River terem sido atingidos com gás pimenta.

No reatamento do encontro, que tinha chegado ao intervalo empatado 0-0, os jogadores do River Plate, equipa visitante, foram agredidos por adeptos do Boca Juniores quando regressavam ao relvado, obrigando à suspensão do jogo.

No estádio La Bombonera, com mais de 60.000 espetadores, o árbitro do 'clássico', o também argentino Dario Herrera, foi forçado a ordenar o regresso aos balneários depois de mais de uma hora de desacatos.

Na primeira mão, no El Monumental, o River Plate tinha vencido o Boca Juniors por 1-0.
Lusa
  • Suécia conquista primeira vitória no Mundial frente à República da Coreia (1-0)

    Mundial 2018 / Suécia

    Depois de uma ausência de 12 anos nos campeonatos do mundo, a Suécia volta e começa a ganhar. Um penálti de Andreas Granqvist aos 65 minutos garantiu a vitória frente à República da Coreia na fase de grupos do Mundial. As equipas jogam pelo grupo F, onde também estão a Alemanha e o México. Veja aqui o golo e os lances da partida.

  • Combate ao terrorismo e corrupção são prioridades do novo diretor da PJ
    2:42

    País

    O novo diretor da Polícia Judiciária diz que o combate ao terrorismo e à corrupção estão entre as maiores prioridades para a PJ. Mas alerta que são precisos meios para cumprir essa missão. Luís Neves tomou posse esta manhã, depois de 20 anos ligados à investigação do crime mais violento.

  • Três mortos e mais de 200 feridos do sismo no Japão
    1:07

    Mundo

    Pelo menos três pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas na sequência de um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter que atingiu hoje a região oeste do Japão, segundo um novo balanço das autoridades nipónicas. Uma das vítimas mortais era uma criança de 9 anos.