sicnot

Perfil

Desporto

Boca Juniors recorre de desclassificação da Taça Libertadores

O Boca Juniors apelou da decisão da Confederação sul-americana de futebol (Conmebol) de entregar a vitória ao River Plate, na segunda mão dos oitavos de final da Taça Libertadores, devido a distúrbios, informaram esta segunda-feira fontes do clube argentino.

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

© Enrique Marcarian / Reuters

O presidente do Boca Juniors confirmou o recurso numa entrevista à rádio La Red, mas mostrou-se pessimista quanto ao seu sucesso. 

"Não estamos otimistas, porque há muitos interesses alheios aos clubes, comerciais e já se estão a vender bilhetes. Não há antecedentes da exclusão de uma equipa por um motivo pontual", disse Daniel Angelici, considerando que assim a Conmebol está a dar força aos adeptos violentos, que agora sabem que, caso queiram perturbar um jogo, vão ficar impunes.  

O presidente do clube argentino assegurou que o Boca cumpriu o protocolo de segurança e recordou um episódio da edição anterior da Taça Libertadores: "No ano passado, num jogo do Corinthians morreu um rapaz de 14 anos e não o desclassificaram do torneio, pelo que não entendo o equilíbrio desta sanção". 

Angelici antecipou também que planeia renunciar à vice-presidência da Associação de Futebol Argentino (AFA), porque não quer fazer parte de algo que não funciona. 

A Conmebol desclassificou a 16 de maio o Boca Juniors da Taça dos Libertadores, após os incidentes da quinta-feira anterior na segunda mão dos oitavos de final, frente ao River Plate.

Face a esta decisão, o River Plate, o maior rival do Boca Juniors, apurou-se na 'secretaria' para os quartos de final da 'Champions' da América do Sul, defrontando agora os brasileiros do Corinthians.

Segundo a deliberação da comissão disciplinar da Conmebol, o Boca Juniors disputará os próximos quatro jogos em casa da Taça dos Libertadores à porta fechada e terá de pagar uma multa de 200.000 euros.

No dia 14 de maio, o jogo entre o Boca Juniors e o River Plate, foi suspenso depois de os jogadores do River terem sido atingidos com gás pimenta.

No reatamento do encontro, que tinha chegado ao intervalo empatado 0-0, os jogadores do River Plate, equipa visitante, foram agredidos por adeptos do Boca Juniores quando regressavam ao relvado, obrigando à suspensão do jogo.

No estádio La Bombonera, com mais de 60.000 espetadores, o árbitro do 'clássico', o também argentino Dario Herrera, foi forçado a ordenar o regresso aos balneários depois de mais de uma hora de desacatos.

Na primeira mão, no El Monumental, o River Plate tinha vencido o Boca Juniors por 1-0.
Lusa
  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.