sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto recebido no Dragão com assobios e insultos

O FC Porto foi recebido com assobios e insultos, à chegada ao Estádio do Dragão, por cerca de 300 adeptos, depois de ter empatado com o Belenenses no domingo, entregando o título de campeão nacional de futebol ao Benfica.

Lusa

O grupo começou a juntar-se junto ao estádio uma hora antes de a equipa chegar, ficando mais composto quando começaram a chegar os autocarros com os adeptos que estiverem em Lisboa para assistir ao jogo no Estádio do Restelo, da 33.ª e penúltima jornada.

A multidão foi controlada por algumas dezenas de agentes da PSP, nomeadamente do corpo de intervenção, que impediu os adeptos de chegarem perto do autocarro da equipa, quando este entrou no recinto perto da meia-noite. 

Os jogadores e equipa técnica permaneceram no estádio quase duas horas, antes de saírem em viaturas próprias, sem que se tivessem registado incidentes e quando a maioria dos adeptos já se tinha retirado do local.

O FC Porto empatou com o Belenenses 1-1 e permitiu ao Benfica festejar conquista do seu 34.º título de campeão nacional, apesar do empate 0-0 no terreno do Vitória de Guimarães.












Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.