sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Fenerbahçe suspenso 100 dias por ameaçar árbitro

A Federação Turca de Futebol (TFF) suspendeu esta terça-feira o presidente do Fenerbahçe, Aziz Yildirim, por 100 dias, depois de Yildirim ter ameaçado um árbitro.

Presidente do Fenerbahçe desde 1998, Aziz Yildirim protagonizou em 2012 um dos maiores escândalos do futebol turco, ao ser acusado e condenado por combinação de resultados. Por este motivo, a equipa turca ficou impossibilitada de competir nas competições internacionais por um período de dois anos. (Arquivo)

Presidente do Fenerbahçe desde 1998, Aziz Yildirim protagonizou em 2012 um dos maiores escândalos do futebol turco, ao ser acusado e condenado por combinação de resultados. Por este motivo, a equipa turca ficou impossibilitada de competir nas competições internacionais por um período de dois anos. (Arquivo)

© Eric Gaillard / Reuters

Segundo a nota informativa divulgada no site da TFF, a ameaça do dirigente da equipa dos portugueses Bruno Alves e Raul Meireles teve como alvo o árbitro Mete Kalkavan, que a 13 de maio dirigiu o jogo do Fenerbahçe frente ao Kayseri Erciyesspor, que terminou empatado a um golo. 

Na mesma nota pode ler-se que, além da suspensão, Yildirim foi também multado em 16 mil euros.

Presidente do Fenerbahçe desde 1998, Aziz Yildirim protagonizou em 2012 um dos maiores escândalos do futebol turco, ao ser acusado e condenado por combinação de resultados. Por este motivo, a equipa turca ficou impossibilitada de competir nas competições internacionais por um período de dois anos.
Lusa
  • Sismo de 3,1 com epicentro a 8 km de Almodôvar

    País

    Um sismo de magnitude 3,1 na escala de Richter com epicentro a cerca de oito quilómetros a nordeste de Almodôvar, distrito de Beja, foi hoje sentido no continente, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • ADSE quer poupar 29 milhões com nova tabela de preços
    2:50

    Economia

    A nova tabela de preços - que a ADSE quer que entre em vigor a 1 de março - pretende poupar 29 milhões de euros, nos cuidados de saúde prestados fora das unidades públicas aos funcionários do Estado. Os hospitais privados consideram a proposta irreal e ameaçam pôr fim aos acordos com a ADSE.

  • Paris afetada por praga de ratos
    1:03