sicnot

Perfil

Desporto

Latvala defende a liderança no dia mais longo do Rali de Portugal

O finlandês Jari-Matti Latvala (Volkswagen) defende hoje a liderança do Rali de Portugal, quinta prova do Campeonato do Mundo, cujo terceiro dia é composto por seis especiais, nomeadamente a mais longa, a de Fridão, com quase 40 quilómetros.

REPORTER IMAGES

As duas passagens nos troços de Baião (18,57 km), Marão (26,46 km) e Fridão (37,67 km) constituem as secções mais extensas do rali, com um total de 165,4 quilómetros, num itinerário desenhado entre as regiões de Minho, Douro Litoral e Trás-os-Montes que promete voltar a ser muito exigente, sobretudo para os pneus.

Latvala, que até agora pontuou somente em Monte Carlo, na prova de abertura do Mundial, vai para a estrada com 11,1 segundos de avanço sobre o britânico Kris Meeke (Citroën) e 16 face ao norueguês Andreas Mikkelsen (Volkswagen), após seis especiais disputadas. O início do primeiro troço do dia está marcado para as 08:54.

No seio da marca alemã, o francês Sébastien Ogier, bicampeão do mundo, é o menos satisfeito, uma vez que a sua condição de líder do Mundial o obrigou a sair em primeiro e a ter de 'limpar' a estrada, uma desvantagem que o deixou no sexto lugar, a 25,9 segundos de Latvala, e atrás do estónio Ott Tanak (Ford) e do espanhol Dani Sordo (Hyundai).

As suas condições vão melhorar ligeiramente, já que o britânico Elfyn Evans (Ford) e o italiano Lorenzo Bertelli (Ford) partem hoje à sua frente, depois de terem sido forçados a retirarem-se na véspera.

Entre os portugueses, Miguel Campos (Ford) continua a ser mais bem classificado, ocupando o 24.º posto na geral, a 7.45,6 segundos do líder, mas beneficiou do abandono de Bernardo Sousa (Peugeot), que tinha sido melhor na primeira secção de sexta-feira antes de ser traído por um problema no radiador.



Lusa
  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.