sicnot

Perfil

Desporto

Maria Sharapova ganha em Roland Garros mas é vaiada

A tenista russa Maria Sharapova iniciou hoje a defesa do título em Roland Garros com o doce sabor da vitória e com o amargo de ter sido vaiada pelo público francês, que muito aplaudiu o triunfo de Andy Murray.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Se durante o encontro da primeira ronda frente à estoniana Kaia Kanepi, a número dois mundial nunca tremeu, impondo-se por 6-2 e 6-4 em uma hora e 24 minutos, o mesmo não aconteceu nos instantes posteriores à sua vitória. Num ápice, os aplausos do exigente público francês, capaz das maiores relações amor-ódio, transformaram-se em assobios, tudo porque a russa se recusou a dar a habitual entrevista em 'court'.

Sharapova desculpou-se com a sua voz fraca, devido a uma constipação, o público não a perdoou, vaiando a campeã em título enquanto esta saía do estádio Philippe Chatrier. "Entendo perfeitamente que toda a gente dá entrevistas e responde a umas perguntas diante do público. [A reação] é completamente normal. Não vou desculpar-me, mas fiz o que tinha de fazer", defendeu a russa, que também venceu em Paris em 2012.

Este foi apenas um episódio numa segunda jornada de emoções fortes no quadro feminino, que acabou com a eliminação da menos cotada das irmãs Williams, a 15.ª cabeça de série, Venus, que foi derrotada pela compatriota Sloane Stephens, por 7-6 (7-5) e 6-1. Desde 2010, que a tenista de 34 anos não atinge a segunda semana do torneio francês, o qual disputou pela 18.ª vez.

Bem mais cedo no 'dia 2' do segundo 'Grand Slam' da época, os adeptos mais sensíveis tiveram a oportunidade de se emocionar com as lágrimas de uma desgostosa Agnieszka Radwanska.

A 14.ª cabeça de série, antiga número dois mundial e finalista de Wimbledon em 2012, protagonizou a surpresa da jornada, ao cair na primeira ronda diante da alemã Annika Beck (83.ª), que venceu por 6-2, 3-6 e 6-1.

"Talvez esteja a ficar velha", lamentou a polaca de 26 anos, afastada na primeira ronda de um 'Grand Slam' pela terceira vez na carreira, em 34 participações. 

Já no quadro masculino, fora a eliminação ainda assim pouco surpreendente do 11.º cabeça de série, o espanhol Feliciano López (o seu piso, sabe-se, é a relva), por obra do russo Teymuraz Gabashvili, que se impôs por 6-3, 7-6 (11-9) e 6-3, tudo decorreu como esperado, sobretudo para Andy Murray.

O número três mundial prolongou o seu idílio recente com a terra batida (este ano conquistou os seus dois primeiros troféus no pó de tijolo, um deles no Masters 1000 de Madrid), vencendo em apenas uma hora e 44 minutos o argentino Facundo Arguello, por 6-3, 6-3 e 6-1.

"A primeira ronda de um 'Grand Slam' é sempre difícil e hoje estava muito vento. Estava um pouco nervoso no início, mas gosto disso. Mostra que te preocupas e queres fazer um bom resultado", confessou o britânico que, na segunda ronda, pode reencontrar o português João Sousa, que defrontou na terceira ronda do primeiro 'Grand Slam' do ano, o Open da Austrália.

Também o quarto tenista mundial, o checo Tomas Berdych, reforçou o seu excelente momento de forma, derrotando o 'qualifier' japonês Yoshihito Nishioka, por 6-0, 7-5 e 6-3, para marcar encontro com o seu companheiro habitual da Taça Davis, Radek Stepanek.

O checo, de 36 anos, tornou-se o tenista mais velho a vencer um encontro em Roland Garros desde Jimmy Connors (que tinha 38) em 1991, ao bater o croata Ivan Dodig 5-7, 6-3, 6-4 e 6-1.







Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.