sicnot

Perfil

Desporto

Maria Sharapova ganha em Roland Garros mas é vaiada

A tenista russa Maria Sharapova iniciou hoje a defesa do título em Roland Garros com o doce sabor da vitória e com o amargo de ter sido vaiada pelo público francês, que muito aplaudiu o triunfo de Andy Murray.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Se durante o encontro da primeira ronda frente à estoniana Kaia Kanepi, a número dois mundial nunca tremeu, impondo-se por 6-2 e 6-4 em uma hora e 24 minutos, o mesmo não aconteceu nos instantes posteriores à sua vitória. Num ápice, os aplausos do exigente público francês, capaz das maiores relações amor-ódio, transformaram-se em assobios, tudo porque a russa se recusou a dar a habitual entrevista em 'court'.

Sharapova desculpou-se com a sua voz fraca, devido a uma constipação, o público não a perdoou, vaiando a campeã em título enquanto esta saía do estádio Philippe Chatrier. "Entendo perfeitamente que toda a gente dá entrevistas e responde a umas perguntas diante do público. [A reação] é completamente normal. Não vou desculpar-me, mas fiz o que tinha de fazer", defendeu a russa, que também venceu em Paris em 2012.

Este foi apenas um episódio numa segunda jornada de emoções fortes no quadro feminino, que acabou com a eliminação da menos cotada das irmãs Williams, a 15.ª cabeça de série, Venus, que foi derrotada pela compatriota Sloane Stephens, por 7-6 (7-5) e 6-1. Desde 2010, que a tenista de 34 anos não atinge a segunda semana do torneio francês, o qual disputou pela 18.ª vez.

Bem mais cedo no 'dia 2' do segundo 'Grand Slam' da época, os adeptos mais sensíveis tiveram a oportunidade de se emocionar com as lágrimas de uma desgostosa Agnieszka Radwanska.

A 14.ª cabeça de série, antiga número dois mundial e finalista de Wimbledon em 2012, protagonizou a surpresa da jornada, ao cair na primeira ronda diante da alemã Annika Beck (83.ª), que venceu por 6-2, 3-6 e 6-1.

"Talvez esteja a ficar velha", lamentou a polaca de 26 anos, afastada na primeira ronda de um 'Grand Slam' pela terceira vez na carreira, em 34 participações. 

Já no quadro masculino, fora a eliminação ainda assim pouco surpreendente do 11.º cabeça de série, o espanhol Feliciano López (o seu piso, sabe-se, é a relva), por obra do russo Teymuraz Gabashvili, que se impôs por 6-3, 7-6 (11-9) e 6-3, tudo decorreu como esperado, sobretudo para Andy Murray.

O número três mundial prolongou o seu idílio recente com a terra batida (este ano conquistou os seus dois primeiros troféus no pó de tijolo, um deles no Masters 1000 de Madrid), vencendo em apenas uma hora e 44 minutos o argentino Facundo Arguello, por 6-3, 6-3 e 6-1.

"A primeira ronda de um 'Grand Slam' é sempre difícil e hoje estava muito vento. Estava um pouco nervoso no início, mas gosto disso. Mostra que te preocupas e queres fazer um bom resultado", confessou o britânico que, na segunda ronda, pode reencontrar o português João Sousa, que defrontou na terceira ronda do primeiro 'Grand Slam' do ano, o Open da Austrália.

Também o quarto tenista mundial, o checo Tomas Berdych, reforçou o seu excelente momento de forma, derrotando o 'qualifier' japonês Yoshihito Nishioka, por 6-0, 7-5 e 6-3, para marcar encontro com o seu companheiro habitual da Taça Davis, Radek Stepanek.

O checo, de 36 anos, tornou-se o tenista mais velho a vencer um encontro em Roland Garros desde Jimmy Connors (que tinha 38) em 1991, ao bater o croata Ivan Dodig 5-7, 6-3, 6-4 e 6-1.







Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.