sicnot

Perfil

Desporto

Maria Sharapova ganha em Roland Garros mas é vaiada

A tenista russa Maria Sharapova iniciou hoje a defesa do título em Roland Garros com o doce sabor da vitória e com o amargo de ter sido vaiada pelo público francês, que muito aplaudiu o triunfo de Andy Murray.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Se durante o encontro da primeira ronda frente à estoniana Kaia Kanepi, a número dois mundial nunca tremeu, impondo-se por 6-2 e 6-4 em uma hora e 24 minutos, o mesmo não aconteceu nos instantes posteriores à sua vitória. Num ápice, os aplausos do exigente público francês, capaz das maiores relações amor-ódio, transformaram-se em assobios, tudo porque a russa se recusou a dar a habitual entrevista em 'court'.

Sharapova desculpou-se com a sua voz fraca, devido a uma constipação, o público não a perdoou, vaiando a campeã em título enquanto esta saía do estádio Philippe Chatrier. "Entendo perfeitamente que toda a gente dá entrevistas e responde a umas perguntas diante do público. [A reação] é completamente normal. Não vou desculpar-me, mas fiz o que tinha de fazer", defendeu a russa, que também venceu em Paris em 2012.

Este foi apenas um episódio numa segunda jornada de emoções fortes no quadro feminino, que acabou com a eliminação da menos cotada das irmãs Williams, a 15.ª cabeça de série, Venus, que foi derrotada pela compatriota Sloane Stephens, por 7-6 (7-5) e 6-1. Desde 2010, que a tenista de 34 anos não atinge a segunda semana do torneio francês, o qual disputou pela 18.ª vez.

Bem mais cedo no 'dia 2' do segundo 'Grand Slam' da época, os adeptos mais sensíveis tiveram a oportunidade de se emocionar com as lágrimas de uma desgostosa Agnieszka Radwanska.

A 14.ª cabeça de série, antiga número dois mundial e finalista de Wimbledon em 2012, protagonizou a surpresa da jornada, ao cair na primeira ronda diante da alemã Annika Beck (83.ª), que venceu por 6-2, 3-6 e 6-1.

"Talvez esteja a ficar velha", lamentou a polaca de 26 anos, afastada na primeira ronda de um 'Grand Slam' pela terceira vez na carreira, em 34 participações. 

Já no quadro masculino, fora a eliminação ainda assim pouco surpreendente do 11.º cabeça de série, o espanhol Feliciano López (o seu piso, sabe-se, é a relva), por obra do russo Teymuraz Gabashvili, que se impôs por 6-3, 7-6 (11-9) e 6-3, tudo decorreu como esperado, sobretudo para Andy Murray.

O número três mundial prolongou o seu idílio recente com a terra batida (este ano conquistou os seus dois primeiros troféus no pó de tijolo, um deles no Masters 1000 de Madrid), vencendo em apenas uma hora e 44 minutos o argentino Facundo Arguello, por 6-3, 6-3 e 6-1.

"A primeira ronda de um 'Grand Slam' é sempre difícil e hoje estava muito vento. Estava um pouco nervoso no início, mas gosto disso. Mostra que te preocupas e queres fazer um bom resultado", confessou o britânico que, na segunda ronda, pode reencontrar o português João Sousa, que defrontou na terceira ronda do primeiro 'Grand Slam' do ano, o Open da Austrália.

Também o quarto tenista mundial, o checo Tomas Berdych, reforçou o seu excelente momento de forma, derrotando o 'qualifier' japonês Yoshihito Nishioka, por 6-0, 7-5 e 6-3, para marcar encontro com o seu companheiro habitual da Taça Davis, Radek Stepanek.

O checo, de 36 anos, tornou-se o tenista mais velho a vencer um encontro em Roland Garros desde Jimmy Connors (que tinha 38) em 1991, ao bater o croata Ivan Dodig 5-7, 6-3, 6-4 e 6-1.







Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.