sicnot

Perfil

Desporto

Quatro em cinco adeptos não querem Blatter como presidente da FIFA

Um inquérito da Transparência Internacional concluiu que quatro em cada cinco adeptos de futebol não querem a reeleição de Joseph Blatter como presidente da FIFA, organismo que, segundo o mesmo estudo, não tem a confiança de 69,2 dos inquiridos.

© Ammar Awad / Reuters

Na votação participaram mais de 35 mil pessoas, distribuídas por 30 países, tendo como principal objetivo avaliar os efeitos que os casos de corrupção e a suposta má governação do organismo que rege o futebol têm junto dos adeptos, que não terão qualquer influência nas eleições, já que apenas votam os representantes das 209 federações que compõem a FIFA.

As perguntas foram preparadas em conjunto pela Transparência Internacional, organização mundial contra a corrupção, e pela Futebol Addicts, responsável pela aplicação Forza Futebol, e o inquérito decorreu na semana passada, ainda antes da desistência do português Luís Figo e do holandês Michael van Praag da corrida à presidência do organismo.

O português era o candidato favorito dos adeptos na eleição de sexta-feira, recolhendo 59,1% das preferências, sendo que um quarto dos inquiridos não votaria em nenhuma das quatro candidaturas apresentadas.

O estudo revelou ainda que existiram diferenças assinaláveis nas respostas consoante a nacionalidade/região do inquirido. Depois da polémica atribuição do Mundial de 2022 ao Qatar, 60% dos inquiridos desta país manifestaram confiança na FIFA, enquanto no Chile 100% dos auscultados mostraram-se contra Blatter e 88% contra o organismo.

Relativamente ao Mundial de 2022, 39,1% dos 'fãs' atribuiriam o campeonato à Austrália, 37,8% aos Estados Unidos, 10,8% ao Japão e 10,1% à Coreia do Sul. Quanto ao Qatar, recolheu 2,2% das preferências.

Segundo Deborah Unger, da transparência Internacional, aos escândalos associados à FIFA têm 'manchado' a reputação do organismo, chegando a admitir que os adeptos que pagam para ver futebol "mereciam melhor".  

A mesma opinião tem Patrik Arnesson, cofundador do Futebol Addicts, destacando a importância destas 'escutas' para se ter a ideia do contraste entre a comunidade do futebol e a FIFA. Arnesson fala em "falhas democráticas na sociedade futebolística" que espera ver resolvidas pelo próximo presidente da FIFA.

As eleições para a presidência do organismo que rege o futebol mundial realizam-se na sexta-feira, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça, sendo que, com a desistência de português Luís Figo e do Holandês Michael van Praag, apenas duas candidaturas vão a votos: a do atual presidente Joseph Blatter e a do príncipe Ali bin Al Hussein, da Jordânia.

Lusa
  • Figo desiste da candidatura à FIFA e fala em "ditadura"
    1:12

    Desporto

    A uma semana das eleições, Luís Figo desistiu da candidatura à presidência da FIFA. O antigo internacional português compara o organismo máximo do futebol mundial a uma ditadura e diz que estas eleições não são livres. Luis Figo afirma que o atual presidente, o suíço Joseph Blatter, não tem programa eleitoral, acrescenta que não há debates e que os candidatos não podem intervir nos congressos da FIFA, onde só Blatter tem direito a falar. Para o ex-jogador, este processo eleitoral é a entrega do poder absoluto ao atual presidente da FIFA, em que o futebol sai a perder. O anúncio de Figo surgiu horas depois do holandês Michael van Praag ter desistido. Na corrida estão agora apenas dois homens: o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, e Joseph Blatter.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47