sicnot

Perfil

Desporto

Simão Sabrosa reafirma que é complicado voltar a jogar futebol

O extremo internacional português Simão Sabrosa reafirmou hoje que, após um ano sem competir, será difícil voltar a jogar, e por isso está tentado a abandonar a carreira, embora não o deseje.

Simão Sabrosa diz não ter qualquer problema com o antigo treinador do Espanol de Barcelona, mas que "agora a equipa está melhor" (AP/Arquivo)

Simão Sabrosa diz não ter qualquer problema com o antigo treinador do Espanol de Barcelona, mas que "agora a equipa está melhor" (AP/Arquivo)

Armando Franca

"Eu não deixei o futebol. O futebol é que me deixou a mim. É uma realidade, eu não estava preparado. (...) Estou mais tentado a abandonar a carreira, mas não quero fechar, pois sinto-me bem fisicamente. Sei que em Portugal e na Europa um jogador com mais de 30 anos já está velho. Não quero fechar, não é fácil", explicou.

À margem da apresentação da Danone Nations Cup, torneio de futebol juvenil disputado por crianças dos 10 aos 12 anos, o antigo internacional português, que é um dos embaixadores do torneio, mostrou ser complicado voltar depois "de uma temporada sem competir", mas que aproveitou para se dedicar à família.

"É complicado depois de estar uma temporada sem competir, não tive realmente propostas que me levassem a sair de Portugal, estou a aproveitar este ano para ver para aonde me quero direcionar e estou a aproveitar para a família e para mim", disse.

Simão Sabrosa, numa rápida análise à sua carreira reiterou a vontade de ter terminado a carreira no Benfica, mas nunca culpa ninguém por não ter regressado, depois de ter passado por Atlético de Madrid, Besiktas e Espanyol, o seu último clube.

"Gostaria de ter voltado e ter acabado no Benfica, mas eu sempre disse que se tivesse de voltar ao Benfica teria de ter condições para ajudar e não ser mais um. Jamais culpo treinador ou presidente por eu não ter voltado ao Benfica. Houve conversas, mas não se concretizou", referiu o jogador que, apesar de ter sido formado no Sporting, assumiu ser benfiquista.

"Eu sou benfiquista, a partir do momento em que me tratam mal no Sporting e bem no Benfica, e depois de tudo o que vivi no Benfica, sou benfiquista, mas no domingo [na final da Taça de Portugal, entre Sporting e Braga] que ganhe o melhor", reiterou.

O antigo capitão do Benfica deu os parabéns às 'águias' pela conquista do segundo campeonato consecutivo, bem como ao treinador Jorge Jesus, que na sua opinião Simão deve continuar no comando dos 'encarnados'.

"[Jorge Jesus] tem feito um trabalho exemplar, muito bom, tem ganhado títulos e construído uma equipa à sua imagem. Trabalha imenso os trabalhos táticos e está de parabéns. O que ele fez no Benfica não é fácil", disse.

Simão, que pontualmente envergou a braçadeira de capitão na seleção portuguesa, mostrou-se feliz com a presença de Fernando Santos como selecionador nacional, que para o futebolista "tem feito um bom trabalho".

"Estou feliz pela aposta em Fernando Santos, é um treinador que está a fazer um bom trabalho e as coisas estão a correr muito bem. Vai ter um jogo difícil, aliás todos são difíceis, mas de certeza que vai estar no europeu e de certeza que vai fazer um bom campeonato", concluiu.








Lusa
  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22