sicnot

Perfil

Desporto

Brunel vence em Lisboa a sétima etapa da Volvo Ocean Race

O holandês Brunel venceu hoje a sétima etapa da Volvo Ocean Race (VOR), sendo o primeiro dos seis veleiros que disputam a maior regata de circum-navegação com escalas a chegar a Lisboa.

O veleiro do 'skipper' holandês Bouwe Bekking, que ocupa o terceiro lugar na regata, chegou à doca de Pedrouços às 06:09 de hoje, proveniente de Newport, nos Estados Unidos, de onde partiu no dia 17 de maio.

O Brunel foi o primeiro a completar as 2.800 milhas náuticas (5.185 quilómetros) da etapa que marca o regresso da frota da VOR à Europa, ligeiramente à frente do espanhol Mapfre, comandado por Iker Martínez, e do chinês Dongfeng, liderado pelo francês Charles Chaudrelier, que seguem na segunda e terceira posições, respetivamente.

Um pouco mais distante da capital portuguesa está ainda o líder da regata à volta do mundo, o Abu Dhabi, dos Emirados Árabes Unidos, comandado pelo britânico Ian Walker, um pouco à frente do projeto turco-americano Alvamedica, de Charlie Enright, e do sueco SCA, que tem uma tripulação exclusivamente feminina comandada pela britânica Sam Davies e segue na sexta posição da etapa.

A frota da VOR vai permanecer até 07 de junho em Lisboa, onde vai disputar uma regata costeira no próximo dia 06, véspera da partida da oitava etapa, que vai terminar na cidade francesa de Lorient.

À partida para a sétima das nove etapas, o Abu Dhabi lidera com 11 pontos, à frente menos de Dongfeng (17), Brunel (21), Alvimedica e Mapfre (24) e SCA (26).

A última posição é ocupada pelo dinamarquês Vestas (52), do australiano Chris Nicholson, que não concluiu a segunda regata, mas que vai retomar a prova em Lisboa, depois de concluídas as reparações no barco.


  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01