sicnot

Perfil

Desporto

Futebolistas Berbatov e Stekelenburg deixam o Mónaco

O futebolista internacional búlgaro Dimitar Berbatov, de 34 anos, e o guarda-redes holandês Maarten Stekelenburg, de 32, vão deixar o Mónaco, anunciou esta segunda-feira o clube francês no seu sítio oficial na internet.

Em 53 jogos disputados, Berbatov marcou 18 golos. (Arquivo)

Em 53 jogos disputados, Berbatov marcou 18 golos. (Arquivo)

© Action Images / Reuters

"O AS Mónaco quer saudar a saída de Dimitar Berbatov, cujo contrato termina no final do mês. Por outro lado, Maarten Stekelenburg, emprestado esta época pelo clube inglês Fulham, não continuará na próxima época", anunciaram os monegascos.

Berbatov jogou uma época e meia na equipa monegasca, treinada pelo português Leonardo Jardim, depois de ter chegado no mercado de inverno de 2014, também proveniente do Fulham.

Em 53 jogos disputados, o búlgaro marcou 18 golos, mas durante parte desta época acabou por perder a titularidade para Anthony Martial e depois também por Valère Germain.

Já Maarten Stekelenburg, emprestado pelo Fulham, disputou oito jogos pelo Mónaco, sendo habitualmente suplente do internacional croata Danijel Subasic.

O Mónaco, que também conta com os portugueses Ricardo Carvalho, João Moutinho e Bernardo Silva, terminou a Liga francesa em terceiro lugar e discutirá o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões.
Lusa
  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.