sicnot

Perfil

Desporto

Ações da SAD do Sporting voltam a ser negociadas

A Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários levantou hoje a suspensão da negociação das ações da SAD do Sporting, imposta na sexta-feira pelo regulador, depois de notícias sobre a saída de Jorge Jesus do Benfica para o Sporting.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"O Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) deliberou o levantamento da suspensão da negociação das ações do Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD, por terem cessado os motivos que justificaram a suspensão", lê-se no comunicado do regulador, publicado hoje de manhã no seu 'site'. 

A CMVM suspendeu na sexta-feira a negociação das ações do Sporting "até à divulgação de informação relevante sobre o emitente", depois de ter pedido no dia anterior esclarecimentos ao Benfica e Sporting sobre a alegada contratação dos novos treinadores de futebol.

O pedido de esclarecimento da CMVM veio na sequência das notícias que davam conta da saída de Jorge Jesus do Benfica para o Sporting.

No mesmo dia, o Benfica informou a CMVM que tinha encerrado as negociações com o treinador Jorge Jesus, cujo contrato termina a 30 de junho de 2015, e iniciado conversações preliminares com possíveis sucessores.



Lusa
  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.