sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Comité Olímpico defende reforma profunda da FIFA

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) defendeu hoje que uma reforma profunda na FIFA "pode ser dolorosa, mas é absolutamente necessária". 

© Pierre Albouy / Reuters

"Nós sabemos, por experiência própria, que por tudo sobre a mesa pode ser doloroso, mas é absolutamente necessário. Vimo-lo na nossa história. O COI só conseguiu restaurar a sua credibilidade fazendo isso", declarou Thomas Bach à imprensa, à margem de uma reunião da comissão executiva do movimento olímpico em Lausana (Suíça). 

O presidente do COI referia-se ao escândalo que afetou a instituição que preside, relativo à troca de votos por subornos para entregar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2002 à cidade norte-americana de Salt Lake City.  

Ainda assim, Thomas Bach foi taxativo ao diferenciar a magnitude dos escândalos, considerando o da FIFA, que levou o presidente, Joseph Blatter, à demissão, muito mais grave.

"A diferença na amplitude é enorme, não há praticamente nenhuma comparação com o que aconteceu com Salt Lake City e com o que está a acontecer na FIFA", reforçou. 

O máximo responsável do COI assumiu que a única posição que a entidade que dirige pode tomar é encorajar a FIFA a empreender uma reforma "substancial". 

Blatter, membro do COI, deverá estar ausente, na terça-feira, na apresentação aos membros do movimento olímpico das candidaturas de Pequim (China) e Almaty (Cazaquistão) aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. 

Na terça-feira, Joseph Blatter demitiu-se da presidência da FIFA, na sequência do escândalo de corrupção que abala o organismo máximo do futebol, e pediu a marcação de um congresso extraordinário para eleição de um sucessor.

A sua renúncia aconteceu seis dias depois de o Departamento de Justiça dos Estados Unidos ter indiciado nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

A acusação foi conhecida horas depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido sete dirigentes da FIFA na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições. 






Lusa
  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14