sicnot

Perfil

Desporto

Tóquio vai poupar 1,5 mil milhões nos Jogos Olímpicos de 2020

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) revelou hoje que o comité de organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020 vai poupar cerca de 1,5 mil milhões de euros graças ao recurso a estruturas existentes.

© Pilar Olivares / Reuters

"Recorrendo, de maneira mais inteligente, às estruturas já existentes no espírito da Agenda 2020 e optando pelo mesmo recinto para acolher diferentes modalidades, o comité de organização indicou que vai economizar 700 milhões de dólares [aproximadamente 622 milhões de euros] extra. No total, a poupança será de 1,7 mil milhões de dólares [cerca de 1,5 mil milhões de euros]", detalhou Thomas Bach.

Numa reunião com a comissão executiva do COI, os responsáveis de Tóquio2020, chefiados pelo antigo primeiro ministro japonês Yoshiro Mori, fizeram hoje um ponto de situação sobre o avanço na 'construção' dos Jogos Olímpicos.

Questionado sobre a polémica entre o governador de Tóquio e o governo central japonês sobre o financiamento do estádio olímpico previsto para a competição, Thomas Bach mostrou-se confiante de que o Japão fará um esforço para solucionar esta questão rapidamente.

Já Yoshiro Mori falou das novas modalidades que podem entrar no programa dos Jogos Olímpicos na cidade japonesa, defendendo que deverão ser desportos que os jovens gostem. 

Na lista de hipóteses estão o basebol, muito popular no Japão, assim como a sua vertente feminina, o softball, assim como o karaté ou o surf.












Lusa
  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.