sicnot

Perfil

Desporto

Sulejmani confirmado no Young Boys

O Benfica chegou a acordo com o Young Boys, da Suíça, para a transferência de Miralem Sulejmani. O anúncio foi feito pelo clube da Luz.

Sulejmani regressa à equipa após mais de cinco meses de ausência.

Sulejmani regressa à equipa após mais de cinco meses de ausência.

© Hugo Correia / Reuters

"O Sport Lisboa e Benfica chegou a acordo com o Young Boys, da Suíça, para a transferência de Sulejmani", refere o clube em comunicado, sem revelar os valores envolvidos na transferência.

Por seu turno, o clube helvético, vice-campeão da Suíça, acrescentou no seu site oficial que assinou com o extremo sérvio um contrato de três anos.

Sulejamni, de 26 anos, chegou ao Benfica na temporada 2013/2014, proveniente do Ajax, e na sua época de estreia foi utilizado 26 partidas nas várias competições, tendo apontado três golos.

Na última época, o internacional sérvio esteve a contas com problemas físicos, depois de uma lesão sofrida na final da Liga Europa frente ao Sevilha, e apenas foi utilizado em oito jogos.

"O clube agradece o desempenho desportivo do jogador, a sua entrega e profissionalismo, desejando ao mesmo as maiores felicidades nesta nova etapa da carreira", refere o Benfica.



Com Lusa
  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.