sicnot

Perfil

Desporto

EUA investiga pagamentos da Nike ao mundo do futebol no Brasil

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos investiga pagamentos realizados pela multinacional desportiva norte-americana Nike ao mundo do futebol no Brasil em 1996, noticia hoje o Wall Street Journal. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Lucy Nicholson / Reuters

Segundo o diário, a justiça brasileira está a investigar o acordo de patrocínio de dez anos de validade alcançado em 1996 entre a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Nike pelo valor de 160 milhões de dólares. 

Após a assinatura do acordo, a Nike pagou outros 40 milhões de dólares em "despesas de marketing" que não estavam contemplados no acordo inicial e que foram depositados numa conta bancária na Suíça em nome de uma empresa brasileira de patrocínio desportivo.

Embora o documento a que o Wall Street Journal teve acesso em nenhum momento identifique a empresa, referindo "uma multinacional desportiva norte-americana", o diário cita fontes próximas da investigação que confirmaram tratar-se da Nike.

A 27 de maio, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

A acusação surgiu depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido sete membros da FIFA, num hotel de Zurique.

Dois dias depois, Joseph Blatter foi reeleito para um quinto mandato à frente do organismo, mas acabou por se demitir, na sequência do escândalo.


Lusa
  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49