sicnot

Perfil

Desporto

Olympiacos admite que Marco Silva é um dos favoritos para treinador

O treinador português Marco Silva é um dos favoritos para suceder a Vítor Pereira no cargo de treinador do Olympiacos, noticia a imprensa grega, que cita uma fonte do clube.

De acordo com o portal desportivo grego gazetta.gr, Marco Silva está na capital grega para assinar contrato com o clube, que já foi orientado pelos também portugueses Leonardo Jardim e Vítor Pereira. (Arquivo)

De acordo com o portal desportivo grego gazetta.gr, Marco Silva está na capital grega para assinar contrato com o clube, que já foi orientado pelos também portugueses Leonardo Jardim e Vítor Pereira. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Segundo a imprensa, fontes do Olympiacos, campeão grego de futebol, não confirmaram a chegada de Marco Silva, mas afirmaram que o antigo técnico do Sporting está entre os candidatos ao cargo de treinador, e tem muitas possibilidades de vir a ocupá-lo.

De acordo com o portal desportivo grego gazetta.gr, Marco Silva está na capital grega para assinar contrato com o clube, que também já foi orientado pelo português Leonardo Jardim.

Na época passada, Vítor Pereira, que recentemente assinou contrato com o Fenerbaçhe, da Turquia, levou o Olympiacos à conquista do quinto título consecutivo e da Taça da Grécia.

A 4 de junho, poucos dias depois da conquista da Taça de Portugal, o Sporting anunciou a rescisão do contrato com Marco Silva, que era válido até 2018, invocando justa causa.

Entretanto, o treinador, que entre 2011 e 2014 orientou o Estoril-Praia, respondeu a 11 de junho à nota de culpa, que visa o despedimento com justa causa.

O Sporting, que entretanto anunciou a contratação de Jorge Jesus, deverá agora analisar o documento e assumir uma posição nos próximos dias. 
Lusa
  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24