sicnot

Perfil

Desporto

Qatar pagou 1,6 milhões para expor candidatura ao Mundial 2022 em congresso da CAF

O Qatar pagou cerca de 1,6 milhões de euros para poder expor o seu projeto de candidatura ao Campeonato do Mundo de 2022 num congresso da Confederação Africana de Futebol (CAF), realizado em janeiro de 2010, em Luanda.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Faisal Nasser / Reuters

Issa Hayatou, presidente da CAF, não viu, na altura, nada de errado com o pagamento de 1,6 milhões de euros que foi feito por parte do Qatar à sua Confederação pouco antes da reunião, rejeitando contudo que esse montante tenha servido como uma forma de comprar os votos os votos africanos.

"De maneira nenhuma o pagamento serviu para influenciar a votação. Eles simplesmente queriam ter a possibilidade de expor o seu projeto no Congresso e pagaram por isso um total de 1,6 milhões de euros, dividido em duas partes de 800 mil. Não vejo mal nisso", afirmou.

Questionado sobre essa exposição, um porta-voz da CAF confirmou o pagamento, mas, tal como Hayatou, rejeitou a ideia de suborno. Insistindo na ideia de que o Qatar apenas queria 'voz' e um 'privilégio exclusivo', o porta-voz disse ainda à France Presse que esse dinheiro está claro nos extratos financeiros da organização.

Depois dos recentes escândalos que abalaram a estrutura da FIFA, e das suspeitas que envolvem a atribuição do Campeonato do Mundo ao Qatar, Issa Hayatou garantiu que está de "consciência tranquila e sem medo", pois pensa que não fez nada de mal.
Lusa
  • Ex-membro do Comité Executivo da FIFA admite subornos nos Mundiais de 1998 e 2010
    2:27

    Desporto

    O ministro britânico do Desportos disse esta manhã que se forem provados os casos de corrupção na FIFA, deveria ser feita uma nova escolha para os países organizadores dos mundiais de 2018 e 2022. Entretanto, a sede da federação venezuelana de futebol foi alvo de buscas nas últimas horas e a polícia sul-africana abriu um inquérito por existirem suspeitas de que podem ter sido pagos subornos aquando da atribuição do Mundial de 2010 à Africa do Sul. As autoridades norte-americanas e suíças, que lideram as duas investigações internacionais aos casos de corrupção na FIFA, não excluem a possibilidade de virem a ser investigadas outras federações nacionais de futebol, espalhadas pelo mundo.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10