sicnot

Perfil

Desporto

Jackson Martínez galardoado com o terceiro Dragão de Ouro

O futebolista colombiano Jackson Martínez vai ser distinguido com um Dragão de Ouro referente ao melhor atleta do ano, naquele que é o seu terceiro prémio em três épocas ao serviço do FC Porto, anunciou hoje o clube.

© Miguel Vidal / Reuters

O melhor marcador das últimas três edições da I Liga portuguesa é um dos três futebolistas da lista revelada hoje pelos 'dragões', que inclui também o médio mexicano Héctor Herrera, que sucede ao brasileiro Danilo como futebolista do ano, e o médio internacional português Francisco Ramos, que na última época atuou na equipa B.

Da lista divulgada hoje, destaque também para o andebolista Gilberto Duarte, que venceu na categoria de atleta de alta competição, depois de a formação portista ter garantido o heptacampeonato, sendo que é também do andebol o prémio de atleta revelação do ano.

No que treinador diz respeito, o vencedor foi o espanhol Moncho López, que levou a equipa de basquetebol do Dragon Force ao primeiro escalão.


Lista de galardoados:

Atleta do Ano: Jackson Martínez.

Futebolista do Ano: Héctor Herrera.

Jovem Atleta do Ano: Francisco Ramos.

Treinador do Ano: Monho López (Basquetebol).

Atleta de Alta Competição do Ano: Gilberto Duarte (Andebol).

Atleta Amador do Ano: Diana Durães (Natação).

Atleta Revelação do Ano: Miguel Martins (Andebol).

Dirigente do Ano: Adelino Caldeira.

Funcionário do Ano: Jaime Teixeira.

Sócio/Adepto do Ano: D. António Francisco Santos (Bispo do Porto).

Projecto do Ano: Academia de Bilhar do FC Porto.

Parceiro: Coca-Cola.

Casa do FC Porto Nacional: Vila Nova de Famalicão.

Casa do FC Porto Internacional: Luanda (Angola).

Carreira: Manuel Ferreira Pinto (Natação).

Recordação: Domingos Pereira.




Lusa


  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite