sicnot

Perfil

Desporto

Rússia ganhou organização de Mundial 2018 de forma honesta, diz Putin

O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou na sexta-feira que a Rússia ganhou de forma honesta o direito de realizar o Campeonato Mundial de futebol de 2018 e que a decisão não pode ser colocada em causa.

© Grigory Dukor / Reuters

As autoridades judiciais suíças estão a investigar a atribuição da organização dos Mundiais na Rússia, em 2018, e no Qatar, em 2022, no âmbito de um escândalo de corrupção que já levantou questões sobre o evento de 2010 na África do Sul.

"Lutámos de maneira honesta (pelo torneio) e ganhámos. Achamos que a decisão não deve ser questionada", afirmou Putin aos jornalistas, à margem do fórum de investimento de São Petersburgo.

"Estávamos preparados e foi isso que convenceu a FIFA. A construção dos estádios já começou", acrescentou.

O chefe do comité de auditoria da FIFA, Domenico Scala, avisou este mês que a Rússia e o Qatar poderiam perder o direito de organizar os campeonatos de 2018 e 2022 se for encontrada alguma prova de corrupção no processo.

Putin disse que a Rússia apoiou a investigação sobre corrupção que atualmente está a acontecer e salientou que cabe a "um tribunal decidir se alguém é culpado".

O Presidente russo acrescentou que já foi aberto um inquérito, mas que não foi encontrada qualquer prova de corrupção contra Moscovo.


  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas infetadas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32