sicnot

Perfil

Desporto

Trio de nadadores portugueses falha final dos 400 metros livres

Os nadadores Alexandre Coutinho, Guilherme Pina e João Gil ficaram hoje longe da final dos 400 metros livres dos I Jogos Europeus, que decorrem em Baku, no Azerbaijão.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

Apesar de deter um dos nove melhores registos, Alexandre Coutinho foi apenas 33.º (4.02,42), Guilherme Pina 40.º (4.04.80) e João Gil 48.º (4.10,47) em 51 competidores, sendo que a final foi atingida com 3.55,97.

Alexandre Coutinho e Guilherme Pina vão fazer ainda os 800 e 1.500 metros livres em Baku, enquanto João Gil competirá nos 200 livres.

Portugal soma oito medalhas nos I Jogos Europeus, após as conquistas de ouro de Rui Bragança (-58 kg) no taekwondo e no ténis de mesa por equipas (Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Geraldo). 

A prata surgiu com João Silva no triatlo, João Costa no tiro e Fernando Pimenta em K1 1.000 e 5.000 metros na canoagem, enquanto Júlio Ferreira (-80 kg) no taekwondo e a dupla Beatriz Martins/Ana Rente nos trampolins sincronizados amealharam bronze.



RBA // JPS

Lusa/Fim


  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18