sicnot

Perfil

Desporto

Danny Blind é o novo selecionador da Holanda

O ex-internacional Danny Blind, que era adjunto, foi esta quarta-feira anunciado como novo selecionador de futebol da Holanda, na sequência da saída de Guus Hiddink e num momento em que a equipa se debate na qualificação para o Euro2016.

O contrato de Danny Blind, ex-internacional e pai do futebolista Daley Blind (Manchester United), é válido até 1 de agosto de 2018, após o Mundial na Rússia. (Arquivo)

O contrato de Danny Blind, ex-internacional e pai do futebolista Daley Blind (Manchester United), é válido até 1 de agosto de 2018, após o Mundial na Rússia. (Arquivo)

© Michael Kooren / Reuters

"Danny Blind foi nomeado o novo técnico da seleção da Holanda, com início a 01 de agosto", adiantou em comunicado a Federação Holandesa de Futebol (KNVB).

Hiddink saiu na segunda-feira, por comum acordo, face aos maus resultados que a seleção 'laranja' tem tido no grupo A de apuramento, no qual é apenas terceira classificada, atrás Islândia (com mais cinco pontos) e República Checa (mais três).

O contrato de Danny Blind, ex-internacional e pai do futebolista Daley Blind (Manchester United), é válido até 1 de agosto de 2018, após o Mundial na Rússia.

"Com a equipa técnica e os jogadores iremos trabalhar para nos qualificarmos para o Europeu do próximo ano", disse Danny Blind, acrescentando ser essa a sua meta, o apuramento para a competição que decorrerá em França.

Guus Hiddink tinha sucedido na seleção holandesa a Louis Van Gaal, após o Mundial2014, no qual a equipa foi terceira classificada, vencendo o Brasil (3-0) no jogo de atribuição do último lugar do pódio.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46