sicnot

Perfil

Desporto

Sébastien Ogier vence a superespecial de abertura do Rali da Polónia

O francês Sébastien Ogier (Volkswagen Polo-R), bicampeão do mundo e líder do campeonato, venceu hoje a superespecial de abertura do Rali da Polónia, sétima etapa do Mundial de ralis.

NIKOS MITSOURAS

O vencedor de quatro das seis primeiras corridas do Mundial gastou 1.43,9 minutos para cumprir os 2,5 quilómetros da especial, a única do primeiro dia e que se disputou na Mikolajki Arena, em Ursynow.

Na segunda posição, ficou o polaco Robert Kubica (Ford Fiesta RS), a 0,5 segundos, seguido do terceiro do Mundial, o norueguês Andreas Mikkelsen (Volkswagen Polo-R), a 0,6.

O norueguês Mads Ostberg (Citroën DS3), segundo do Mundial, foi apenas 11.º na especial, já a 3,2 segundos de Ogier, enquanto o britânico Kris Meeke (Citroën DS3) foi 17.º, a 4,1, depois de ter sofrido um violento despiste no 'shakedown'.

O português Bernardo Sousa (Peugeot 208) foi o 36.º classificado, a 9,9 segundos do líder, ocupando o 20.º posto da categoria WRC2, a 7,3 do francês Stephane Lefrebvre (Citroën DS3).

Na sexta-feira correm-se oito especiais classificativas, num total de 155,04 quilómetros cronometrados.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.