sicnot

Perfil

Desporto

Blatter evita viagens de risco antes de clarificação de caso de corrupção na FIFA

O presidente demissionário da FIFA, o suíço Joseph Blatter, garantiu que vai evitar "viagens de risco", enquanto o caso de corrupção que afeta o organismo que tutela o futebol mundial não esteja clarificado.

O Parlamento Europeu pediu à FIFA que substitua "imediatamente" Joseph Blatter (na imagem) na presidência do órgão dirigente do futebol mundial e que adote reformas para combater a corrupção "generalizada e sistemática". (Arquivo)

O Parlamento Europeu pediu à FIFA que substitua "imediatamente" Joseph Blatter (na imagem) na presidência do órgão dirigente do futebol mundial e que adote reformas para combater a corrupção "generalizada e sistemática". (Arquivo)

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Até que tudo esteja clarificado, não farei qualquer viagem de risco", disse Blatter, em entrevista ao jornal alemão Welt am Sontag.

Blatter apresentou a demissão poucos dias depois de ser reeleito para um quinto mandato à frente da FIFA, na sequência de um caso de corrupção, investigado pelas autoridades norte-americanas e que levou à detenção de vários dirigentes e ex-dirigentes do organismo.

O presidente da FIFA vai estar hoje ausente da final do Mundial feminino, que se disputa no Canadá, justificando com "razões pessoais", tendo também falhado o encontro decisivo do Mundial sub-20, na Nova Zelândia.

Contudo, o suíço vai estar presente no sorteio da fase de qualificação para o Mundial2018, no fim de julho, na Rússia.

Na entrevista ao jornal alemão, Blatter voltou a falar da atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar, respetivamente.

"Antes da atribuição dos Mundiais ao Qatar e à Rússia houve duas intervenções políticas. Os senhores [Nicolas] Sarkozy e [Christian) Wulff [presidentes da França e da Alemanha na altura] tentaram influenciar os seus delegados", disse.

Ainda de acordo com Blatter, à federação alemã "foi pedido [por Wulff] que votasse no Qatar devido a interesses económicos".

 

 

 

 

Lusa

 

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42