sicnot

Perfil

Desporto

Blatter evita viagens de risco antes de clarificação de caso de corrupção na FIFA

O presidente demissionário da FIFA, o suíço Joseph Blatter, garantiu que vai evitar "viagens de risco", enquanto o caso de corrupção que afeta o organismo que tutela o futebol mundial não esteja clarificado.

O Parlamento Europeu pediu à FIFA que substitua "imediatamente" Joseph Blatter (na imagem) na presidência do órgão dirigente do futebol mundial e que adote reformas para combater a corrupção "generalizada e sistemática". (Arquivo)

O Parlamento Europeu pediu à FIFA que substitua "imediatamente" Joseph Blatter (na imagem) na presidência do órgão dirigente do futebol mundial e que adote reformas para combater a corrupção "generalizada e sistemática". (Arquivo)

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Até que tudo esteja clarificado, não farei qualquer viagem de risco", disse Blatter, em entrevista ao jornal alemão Welt am Sontag.

Blatter apresentou a demissão poucos dias depois de ser reeleito para um quinto mandato à frente da FIFA, na sequência de um caso de corrupção, investigado pelas autoridades norte-americanas e que levou à detenção de vários dirigentes e ex-dirigentes do organismo.

O presidente da FIFA vai estar hoje ausente da final do Mundial feminino, que se disputa no Canadá, justificando com "razões pessoais", tendo também falhado o encontro decisivo do Mundial sub-20, na Nova Zelândia.

Contudo, o suíço vai estar presente no sorteio da fase de qualificação para o Mundial2018, no fim de julho, na Rússia.

Na entrevista ao jornal alemão, Blatter voltou a falar da atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar, respetivamente.

"Antes da atribuição dos Mundiais ao Qatar e à Rússia houve duas intervenções políticas. Os senhores [Nicolas] Sarkozy e [Christian) Wulff [presidentes da França e da Alemanha na altura] tentaram influenciar os seus delegados", disse.

Ainda de acordo com Blatter, à federação alemã "foi pedido [por Wulff] que votasse no Qatar devido a interesses económicos".

 

 

 

 

Lusa

 

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.