sicnot

Perfil

Desporto

Rui Costa com mazelas na anca, costas e joelho após queda na Volta à França

O ciclista português Rui Costa (Lampre-Merida) ficou hoje com mazelas na anca, costas e joelho, na sequência da aparatosa queda que marcou a terceira etapa da Volta a França e que também apanhou José Mendes (Bora-Argon 18).  

Christophe Ena

"Obrigado por se preocuparem. Estou com dores na anca e no joelho. Algum mal-estar, mas não é grave", escreveu o campeão nacional na sua página do Facebook.

Rui Costa foi um dos inúmeros ciclistas que caiu ao quilómetro 107 dos 159,5 entre Antuérpia e o muro de Huy, mas conseguiu regressar ao pelotão quando a corrida foi neutralizada pela organização, por não haver assistência médica disponível para todos os corredores afetados, e terminou a etapa na 38.ª posição, a 01.13 minutos do vencedor, o espanhol Joaquim Rodríguez, subindo ao 30.º posto da geral, a 03.10 minutos do líder Chris Froome (Sky). 

"Esta Volta a França não está a começar nada bem para mim. Hoje foi o caos", lamentou posteriormente no seu blog pessoal, contando que deu "uma valente cambalhote" e levou com "uma bicicleta a grande velocidade" em cheio nas costas. 

A queda deixou-o com contusões, queimaduras e algumas feridas nas costas, anca e joelho, que o deixam desconfortável para a etapa de terça-feira.

"O pior é que amanhã temos uma etapa importantíssima e super dura, a etapa do 'pavé'. Uma autêntica Paris-Roubaix em pleno Tour. O trepidar do paralelo a juntar às mazelas... é melhor não pensar e simplesmente focar-me no objetivo. Vamos ver como acordo amanhã. Espero estar melhor e conseguir passar bem a dificuldade", completou.

Outro dos 'azarados' foi José Mendes, que considerou que, apesar do aparato da queda, a gravidade podia ter sido pior. 

"O que me está preocupar mais é um hematoma que tenho no músculo acima do joelho, que me dificultou imenso a tarefa de terminar a etapa. Neste momento não parece ser nada de grave, mas vamos ver como evoluem as lesões provocadas pela queda", disse à agência Lusa o vimaranense, que foi 162.º, a 11.02 minutos, e desceu à 163.ª posição da geral.

Entretanto Nélson Oliveira (Lampre-Merida) escapou incólume às quedas -- completou a tirada no 107.º lugar, a 06.13 minutos, e é agora 79.º, a 08.13 do britânico da Sky -, bem como Tiago Machado. 

"Ainda bem que hoje se neutralizou a etapa devido às duas quedas aparatosas que houve, mas por que não se fez o mesmo ontem? É que o pelotão partiu-se definitivamente quando houve quedas antes de uma viragem e as equipas iam na sua maioria desorganizadas", questionou o ciclista da Katusha, que hoje celebrou a vitória do seu colega Joaquim Rodríguez. 

O ciclista de Famalicão chegou uma posição atrás de Rui Costa e escalou até ao 59.º posto da geral, a 06.41 minutos de Froome.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.