sicnot

Perfil

Desporto

Camisola amarela Tony Martin desiste da Volta à França

O ciclista alemão Tony Martin, camisola amarela da Volta a França, abandonou hoje a prova, depois de fraturar a clavícula na sequência da queda na sexta etapa.

ERIC FEFERBERG / POOL

"Clavícula partida. Vamos discutir quais serão os próximos passos", escreveu o camisola amarela no twitter, depois de ser submetido a várias radiografias para avaliar a extensão das lesões resultantes da queda que provocou a um quilómetro da meta da sexta etapa.

A confirmação oficial do seu abandono foi dada pelo diretor desportivo da Etixx-Quickstep, Patrick Lefevere, na Europe 1. 

Martin é o segundo líder da geral a desistir, uma vez que o suíço Fabian Cancellara (Trek) abandonou a corrida enquanto vestia de amarelo, na terceira etapa, ao fraturar duas vértebras numa queda. 

Lusa

  • Fogo na baixa do Porto provoca quatro feridos, dois em estado grave
    1:38

    New Articles

    Um incêndio em três habitações na baixa do Porto, que deflagrou esta noite, provocou quatro feridos, dois em estado grave. O fogo que foi extinto pelos Bombeiros Sapadores do Porto causou cinco desalojados, dos quais quatro foram acolhidos por familiares e um realojado pela junta de freguesia. Desconhece-se a origem das chamas que destruíram três casas.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.