sicnot

Perfil

Desporto

Mónaco oficializa contratação do português Ivan Cavaleiro

O Mónaco oficializou esta sexta-feira a saída do futebolista belga Ferreira Carrasco para o Atlético Madrid e anunciou a contratação, para as próximas cinco épocas, do internacional sub-21 português Ivan Cavaleiro.

O ex-avançado do Benfica, que custou 15 milhões de euros ao clube monegasco, marcou ao minuto 17, de penálti.

O ex-avançado do Benfica, que custou 15 milhões de euros ao clube monegasco, marcou ao minuto 17, de penálti.

AS Monaco

De acordo com várias fontes ligadas às negociações, o Atlético Madrid irá pagar ao Mónaco 15 milhões de euros, verba à qual serão adicionados outros bónus se atingidos certos objetivos e ainda uma percentagem de 25 por cento para o clube monegasco sobre o montante de uma futura venda do passe do jogador.

O internacional belga de 22 anos realizou uma excelente temporada em 2014/15, na qual marcou seis golos e foi autor de nove assistências para golo em 36 jogos da I Liga francesa e na Liga dos Campeões, e passou a ser alvo prioritário para o Atlético Madrid desde que se consumou a saída do internacional turco Arda Turan para o FC Barcelona.

Ferreira Carrasco deverá assinar um contrato com o Atlético Madrid válido por cinco anos, depois de passar nos exames médicos a que vai ser submetido.

Ao mesmo tempo, o clube do Principado anunciou a contratação do jogador do Benfica Ivan Cavaleiro, que esteve emprestado na época passada ao Deportivo da Corunha, operação financeira que de acordo com fontes ligadas ao Mónaco rondará os 14 milhões de euros.

A equipa monegasca, orientada pelo treinador português Leonardo Jardim, passa a contar nas suas fileiras com quatro internacionais lusos, Ricardo Carvalho, Bernardo Silva, João Moutinho e Ivan Cavaleiro.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".